A HISTÓRIA DE IQBAL

por Fernanda de Lima Passamai Perez

Iqbal Masih tinha por volta de 5 anos quando ainda morava com sua família no interior do Paquistão. Depois que seu pai contraiu uma dívida – alguns creem que foi para comprar remédios, outros alegam que o dinheiro foi usado para o casamento do irmão mais velho – o pequeno menino foi entregue a agiotas para que trabalhasse em uma tecelagem até que quitasse o débito familiar. O que de fato nunca ocorreria e ele, mesmo ignorante, parecia saber disso. Após alguns anos trabalhando em condições de semi-escravidão, Iqbal subverteu as regras estabelecidas pelo mundo adulto, fugiu e revelou a todos sua condição, contribuindo para que outras crianças também fossem libertadas e pudessem voltar às suas famílias. No entanto, o garoto fez muitos inimigos e mesmo com toda projeção  internacional, Iqbal foi morto em 1995 com aproximadamente 12 ou 13 anos.

Apesar do desfecho triste, A história de Iqbal é um livro bonito. O leitor já inicia a leitura conhecendo seu final e tem a oportunidade de ir, ao longo da narrativa, elaborando e ressignificando fato tão bárbaro, através das lembranças de Fátima, menina que teria conhecido e trabalhado ao lado Iqbal. Dentro de um contexto ficcional, a pequena narradora reconstrói o período final de vida do menino, quando o conheceu e começou a crer que a vida podia ser diferente. O olhar de Fátima capta tudo, revelando, sem dúvida, fatos assustadores porém o filtro da infância abranda o peso dos acontecimentos, talvez por conta da ingenuidade, e dá esperança ao leitor.

Sem julgamentos sumários ou descrições apelativas, o livro de Francesco D’Adamo é conciso, realista, intenso e belo. Ele eterniza e divulga a luta de Iqbal Masih que, assim como Malala Yousafzai, sua conterrânea e ganhadora do Prêmio Nobel da Paz 2014, buscaram justiça para garantir seus direitos de criança, ainda que isso pudesse custar suas vidas.

D’ADAMO, Francesco. A história de Iqbal. São Paulo : WMF Martins Fontes, 2016.

Eu quero um amigo…

Por Fernanda de Lima Passamai Perez

Eu Quero um Amigo...O que é um amigo? Bem, pode ser aquela pessoa que vai rir da sua piada, mesmo que não seja tão engraçada assim, ou vai te fazer rir da dela. Te avisar quando algo não estiver legal ou te elogiar quando você se superar. Ser parecido com ou muito diferente de você. Que ganha no jogo para te desafiar ou perde para te ensinar. Corrigir seus erros e, mesmo os perdoar…

O livro de Anette Bley Eu quero um amigo…é leve, divertido. A disposição das ilustrações pode parecer um pouco confusa a princípio, pois não há uma única narrativa, são vários cenários e micro narrativas que se acrescentam e concretizam o sentido de amizade, o tema comum a todas elas. Por isso vale a pena ser lido mais de uma vez e ir cruzando as imagens, criando novas situações, de novo e mais uma vez.

Deliciosa experiência de leitura para se compartilhar com os pequenos e para lembrarmos que, mesmo crescidos, é muito bom ter um amigo.

BLEY, Anette. Eu quero um amigo…. São Paulo: Brinque Book, 2013.

Contos tradicionais, contos populares, contos de fadas

Por Paula Lisboa

É impossível pensarmos na formação leitora e na experiência com as histórias sem falar dos contos tradicionais. Aqui na escola desde muito cedo nossas crianças ouvem narrativas dos irmãos Grimm, depois Perrault, caminham para os brasileiros, com recontos de Ana Maria Machado, Ricardo Azevedo, diversas versões do Pedro Malasartes… Depois estudam um pouco mais os contos de Andersen, autorais porém carregados de elementos da narrativa tradicional. Leem mitos gregos, contos africanos, russos, chineses… Nunca pára, mesmo que estejamos sempre ampliando o leque com a apresentação de diversos autores contemporâneos e contos modernos, os contos tradicionais se mantém sempre presente.

Este ano fui convidada a registrar em áudio a leitura do conto A inteligente filha do camponês, compilado pelos irmãos Grimm, que serviu de ponto de partida para as crianças dos 4ºs anos das três unidades (Morumbi, Butantã e Granja Viana) escreverem um novo episódio para a história. Cada nova história criada em duplas pelos alunos, foi ilustrada e lida em voz alta, para finalmente chegar à produção final do Projeto Curtas: pequenos vídeos contendo as narrativas contadas e ilustradas por eles!

E assim, vejam que lindo o caminho das histórias: um conto originalmente de tradição oral alemã, passou para o livro a partir da compilação dos Grimm; foi traduzido para o português pela Heloisa Jahn e serviu de base para a criação de novas histórias; essas histórias saíram do texto escrito e voltaram para a oralidade, resultando em uma produção áudio-visual!

Aqui vocês podem ouvir o conto lido por mim. A Inteligente Filha Do Camponês

GRIMM, Jacob; GRIMM, Wilhelm. Contos de Grimm. São Paulo: Companhia das Letrinhas, 2004. 90, [1] p.

#leituraqueeuindico

CONTOS DE FADA
 
 
“24 horas depois de retirar um livro que possui 284 páginas, Raquel, 3º ano, devolve muito naturalmente o livro emprestado.
_ Já?!
_ Já.
_ Você leu o livro todo?
_ Sim. Eu passei a noite inteira lendo porque não estava conseguindo dormir.
_ Nossa que chato. Por quê não conseguia dormir?
_ Estava pensando num pesadelo que eu tive. Então pensei: se eu ler contos de fadas vou conseguir dormir melhor.
_ Qual foi a história que mais gostou?
_ Cinderela e o sapatinho de vidro.
_ Vai levar outro livro?
_ Não. Tchau!”
 
Contos de Fada: de Perrault, Grimm, Andersen & outros. Rio de Janeiro: Zahar, 2010.

Autocracia

por Lucas Meirelles

Autocracia

 

Autocracia é um livro de histórias em quadrinhos. Mas não histórias em quadrinhos como estamos usualmente habituados a ler. Não há aqui heróis, personagens complexos, uma sequência lógica de história; não há aventura, humor. Como uma crítica ao advento dos automóveis na vida cotidiana, ou uma explicação do porquê vive-se  correndo, o autor Woodrow Phoenix cria imagens de estradas, ruas, curvas, placas, estacionamentos e calçadas para falar do seu tratado sobre “velocidade, poder e morte no mundo motorizado” (subtítulo da capa).

Uma característica notável nesse livro são os “estudos de caso” narrados entre curiosidades sobre as leis de trânsito no Reino Unido e Estados Unidos. São histórias de, como frisa o autor: “acidentes” em que percebe-se quais os papéis de executor e vítima e como a sociedade reconhece ambos.

Livro para ler e repensar, ler e discutir.

 

 

PHOENIX, Woodrow. Autocracia. São Paulo: Veneta, 2014.

A Árvore Vermelha, de Shaun Tan

Por Paula Lisboa

Um livro poético e triste, sobre aqueles dias em que acordamos com a certeza de que tudo vai mal e nada faz sentido.

Uma das coisas que me mobiliza quando escolho um livro para apresentar às crianças é a ideia de estar proporcionando um encontro. O que vai acontecer entre eles, está além do meu controle. Podemos pensar que um livro como “A Árvore Vermelha” seja pesado ou inadequado para uma criança, pois fala de sentimentos tristes, tem imagens oníricas e não usa palavras corriqueiras do vocabulário dos pequenos: “as coisas vão de mal a pior”, “a escuridão esmaga você”, “o mundo é uma máquina surda”.

Engano nosso. As crianças não somente apreciam tais expressões fortes como admiram as imagens e são capazes de sentir as emoções a que estamos nos referindo.

E assim, ao final da leitura que todos ouvem impressionantemente atentos, tiram suas próprias conclusões: “Achei esse livro triste, só no final tem duas páginas felizes” ou com maior elaboração: “Eu gostei desse livro porque a menina acha que o dia vai acabar chato e sem graça como começou, mas no final acontece uma coisa bonita!”.

Ampliamos o repertório, mobilizamos emoções intensas, damos formas à escuridão interna. E acima de tudo, possibilitamos o encontro com uma verdadeira obra de arte! Sugestão de leitura para todas as idades, dos pequenos aos grandes.

Assistam aqui o vídeo book desse título e acompanhem nossa descoberta!

TAN, Shaun. A árvore vermelha. São Paulo: SM, 2009.

A trágica escolha de Lupicínio João

Por Fernanda Passamai Perez

Por Fernanda Passamai Perez

Lupicínio João nunca entendeu por que seu pai detestava seu avô materno a ponto da mãe ter que mentir quando levava os filhos para visitá-lo. Tudo bem que aquele senhor não era dos mais simpáticos, o menino mesmo não se sentia a vontade na presença dele, e, agora, diante daquele corpo rijo e sem vida, não sentia nada.

Apesar disso, Lup, como era chamado em casa, teve uma infância comum e feliz. Mas, prestes a completar 13 anos, mudanças em seu corpo anunciavam que além da puberdade, chegara o momento de conhecer o significado daquela marca vermelho rubi abaixo da axila direita: como seu avô, Lupicínio João era um… lobisomem!

Porém, havia uma chance de mudar sua sorte.  No momento certo, ele teria de fazer sua escolha: ser ou não um lobisomem para o resto de sua existência. Sua vida era boa, sem dúvida. Era amado por seus pais e gostava da irmã, mas como resistir ao poder que brotava de si, graças à sua herança?

Esqueça tudo o que você ouviu falar sobre lobisomens e acompanhe o desfecho dessa emocionante história.

SILVEIRA, Maria José. A trágica escolha de Lupicínio João. São Paulo: Scipione, 2012. (Diálogo)

PARA FUGIR DAS ARMADILHAS NA ESCOLHA DE BONS LIVROS PARA AS CRIANÇAS

ilustração Luisa Furman

Por Paula Lisboa*

Quem aqui já desejou uma fórmula mágica para ajudá-lo numa decisão difícil? Quem já sonhou com uma receita secreta que dissesse qual a melhor forma de educar, orientar e ensinar nossos filhos? Não tem jeito, sempre que pedimos conselhos e opiniões, acabamos descobrindo que a melhor escolha está dentro de nós, e, para acessá-la, é preciso de tempo para a escuta interior.

Falando em leitura para as crianças, acreditem, o caminho também passa por aí. Infelizmente não existe uma fórmula que nos garanta fazer as melhores escolhas no que se refere aos livros que vamos ofertar aos nossos filhos. Também, nesse momento, é preciso tempo para a escuta, para a observação, para o olhar atento, tanto para a criança quanto para os livros em si.

Embora não exista uma fórmula mágica, existem, sim, alguns parâmetros que podem nortear nossas escolhas, parâmetros esses que são construídos a depender da situação: para quem vou ler? Que intenção tenho com aquela leitura? Como vai se dar o encontro da criança com o livro? Além de variar pela situação, a escolha de um bom livro também passa pela subjetividade: um bom livro para mim pode não ser tão bom para você, já que existem o interesse, o gosto, os critérios e os valores que temos internalizados. Parece impossível listar o que seja 100% bom para todo mundo, mas é possível dizer o que NÃO é bom, o que podemos e o que devemos evitar. Com o cuidado de quem tateia um universo imenso, diverso e um tanto subjetivo, vou destacar alguns pontos que podem ajudar mães, pais e familiares em geral a não cairem em armadilhas no momento de escolher livros para oferecer a suas crianças:

Livros com faixa etária pré-definida: a definição da faixa etária a que se destina tal livro é muito mais uma necessidade comercial, imposta pelo mercado, pelas editoras e livrarias, do que um critério real para definir a qualidade de um livro. Existem livros que se encaixariam em diversas faixas etárias; os bons livros, que se destacam na formação do leitor, não têm idade. Desconfie dessas definições, olhe além.

Livros tratados como objeto prioritariamente comercial: não pode ser a propaganda da editora, a autopromoção na página do facebook do autor ou o setor de marketing da livraria que vai definir o livro que vou escolher para uma criança. É preciso conhecer e reconhecer o livro como um objeto artístico, cultural, algo que merece ser discutido, não somente consumido. O livro é um objeto que possibilita falar sobre a experiência humana de uma maneira muito rica e enriquecedora. A oferta é imensa, temos que ultrapassar os livros que estão expostos nas vitrines, tentar desfazer a relação de consumidor. Onde estão os livros que não são lançamentos? Que não são best-sellers? Aqueles publicados por pequenas editoras? É preciso calma, tempo, cuidado, percorrer as livrarias e as bibliotecas com as crianças, observando para onde vai o olhar delas, e “fuçando” para além dos destaques.

Livros que agregam outros produtos: o critério aqui se repete, a ideia é ir além da relação do consumidor com um produto. Livros com grande apelo sedutor, que torna até difícil dissuadir a criança daquela escolha, porque trazem seu personagem preferido, com adesivos, brindes, passatempos… Não precisamos proibir, mas ampliar a oferta, não nos contentarmos unicamente com livros de leitura fácil, que muitas vezes reforçam estereótipos e não enriquecem o repertório literário. O importante é investir na formação dos nossos filhos, ampliar suas experiências, não deixar que fiquem no “mais fácil”. Temos os livros “fast-food”, que são devorados em uma única sentada, e os livros que trazem um algo a mais, que são lidos e relidos, descobertos, explorados. Apresentar um amplo leque ajuda as próprias crianças a compararem as diferentes experiências leitoras.

Livros que reproduzam estereótipos: é fundamental tomar cuidado com livros que confirmam ou que não se posicionam com relação aos preconceitos de toda espécie. Vamos fugir dos livros que não considerem toda a diversidade de estruturas familiares que existe; que não apresentem a diversidade racial que precisa ser olhada e representada na literatura para as crianças; livros que reforçam a desigualdade entre os gêneros, que seguem diferenciando as “histórias para meninas” das “histórias para meninos”. Boas histórias são para todos, bons livros devem ser lidos por todo leitor que se interessar por aquela obra que está em suas mãos. É importante fugir desses estereótipos, perguntar-se como os livros estão tratando esses assuntos.

Livros que apelam para temas: o apelo a um tema da moda costuma indicar uma armadilha. O problema não são os temas em si, mas qual é o lugar disso e qual é o lugar da literatura? De que forma a literatura pode discutir temas contemporâneos? Importante lembrar que, quando falamos de um bom livro literário, estamos nos referindo tanto à forma quanto ao conteúdo: o que ele fala e como ele fala. Só há uma maneira de descobrir o “como” ele fala: tenho que me demorar no livro para saber o que ele tem a me dizer e como ele vai me dizer. O fato de o livro tratar de um tema importante não faz dele um bom livro literário.

Livros com tendência à “autoajuda mirim”: livros que falam dos problemas cotidianos da criança com soluções fáceis e mágicas, como se as questões ligadas aos sentimentos humanos pudessem ser simples! Não podemos pensar que, pelo leitor ser criança, a solução lhe é simples. E qual a visão que se tem da criança em uma obra que trata os conflitos infantis de maneira tão simplista que não aposta na inteligência da criança? Pergunte-se: será que esse livro traz uma reflexão sobre a experiência humana? Mesmo que tenha leveza, graça, humor, é importante que reflita sobre nossas fragilidades e limitações humanas, que nos possibilite reflexões acerca da nossa existência de maneira inteligente.

Livros que simplificam o livro original (adaptações): muitos clássicos são adaptados para as crianças e oferecidos como se fosse algo incrível ler “Os Miseráveis” em quadrinhos aos sete anos de idade (apenas um exemplo aleatório). Como dissemos anteriormente, a qualidade literária está na forma e no conteúdo. As grandes obras consagradas ocupam esse lugar na história da literatura também pela forma como foram escritas. Se eu preciso adaptar e simplificar uma obra para que ela se torne acessível a uma criança, é bem possível que eu esteja adiantando uma experiência que poderia ser muito mais rica e completa em outro tempo, quando aquele leitor tenha idade para ler o livro original, com a linguagem própria do autor.

Livros que não valorizam a experiência estética, o cuidado na relação texto-imagem: a ampliação do mercado de livros ilustrados é impressionante e riquíssima. É importante buscar livros que primem tanto pela qualidade da linguagem quanto da relação entre a ilustração e o texto. Buscar quem são os ilustradores, fugir das ilustrações estereotipadas, que simplesmente reproduzem o que está sendo dito no texto, que não ampliam a visão sobre o que se lê (a ilustração também é lida), não proporcionam uma nova experiência de fruição.

Por fim, para ampliar a formação de critérios tanto nossos quanto de nossas crianças, temos que dedicar tempo e espaço para a ampliação do repertório de leitura, e, assim, podemos ter mais parâmetros de comparação. Sugerimos visitas às bibliotecas municipais, que contam com acervos ricos e diversificados, possibilitando uma experiência que foge do lugar do consumo que as livrarias proporcionam. Sugerimos também a leitura de sites que se dedicam à leitura e à resenha de títulos sem ligação com o interesse comercial, pensando na literatura para as crianças como um gênero importante, especial e único.

Boas leituras!

Sites especializados em leitura e livros para crianças e jovens:

Revista Emília

A Taba

Biblioteca Parque Villa-Lobos

Fontes do artigo:

Como escolher bons livros para as crianças

Por que os adultos devem ler livros para as crianças

Literatura infantil é, antes de tudo, literatura

*Paula Lisboa atua como mediadora de leitura na Biblioteca José Mindlin, na Unidade Morumbi da Escola da Vila.
Texto originalmente postado no blog da Escola

#leituraqueeuindico

IMG_20160920_104656461

Eu li o primeiro conto e achei interessante. Não é tão difícil (a linguagem) quanto eu imaginava. Eu recomendo. Tiago, 12 anos. O Espelho e outros contos machadianos. Machado de Assis; Ivan Marques (org.); Angelo Abu (ilust.) – São Paulo: Scipione, 2008.

Uma resenha desconhecida

Por: Giulia Ramondetti

Ficha Técnica:

Nome do livro: Black Bird – A fuga

Autor: Anna Carey

Páginas: 225

Editora: Vergara e Ribas

O livro “Black Bird- a fuga” trata do tema do desconhecido representado por uma  menina que não se conhece e que está completamente perdida. Esse livro tem o foco narrativo diferente, pois normalmente os livros são narrados em terceira pessoa, mas não falam diretamente com o leitor, e nesse caso isso ocorre.

Imagine acordar nos trilhos de um metrô sem saber quem você é? Nem sabe como chegou ali? Pois é, imagine os sentimentos dela. São profundos, são intensos, não podemos saber. Ela mal tem tempo para descobrir sua identidade, e logo percebe que está sendo caçada. Precisa fugir desesperadamente. Não sabe quem são eles, não sabe em quem confiar.

Os sentimentos dela não podemos dizer como eram, mas ela era uma garota que era olhada de uma forma diferente pois todos os conheciam como A menina que acordou em um metro que não sabe quem ela, mas a partir disso conseguimos ter uma ideia dos sentimentos dela, não eram contentes, não eram felizes e sim tristes, porque se voce não sabe quem voce é, voce não se sente feliz como podemos perceber nesse paragrafo.
“Abre o bloco de notas em uma página em branco, alisa o papel e escreve, coisas que eu sei que são verdadeiras e que a deixe feliz :

- Estou em Los Angeles

- Acordei nos trilhos do metrô na estação Vermontl Sunset

- Sou uma garota

- Tenho cabelos pretos e longos

- Tenho uma tatuagem de pássaro no pulso direito (FNV 02198)

- Sou boa de corrida”