TANTA POESIA

Era ele que erguia casas onde antes só havia chão”, inicia Vinicius de Moraes em seu poema O Operário em Construção. Com poesia erguemos casas, sonhos e manifestos. Erguemos nossas vozes para construir palavras, sejam elas de amor, de afeto, sejam de revolta, de luta. Na voz de Ricardo Aleixo:

quanta poesia
fiz enquanto não fazia
tanta poesia

Sem saber nem perceber, fazemos poesia em nossas vidas. E no mês de outubro teremos um dia inteiro para colocar a poesia em evidência, em todas as suas formas e expressões, no tão aguardado XII Festival de Poesia da Escola da Vila!

Para nos preparar, listamos alguns destaques das aquisições recentes do acervo da Biblioteca. Fiquem à vontade para consultar e se aventurar nesse rico universo!

50 poemas de revolta / vários autores. Companhia das Letras, 2017. 143 p.

Desigualdade social, racismo, machismo, incontáveis modalidades de opressão e intolerância: esses são os temas tratados por 34 poetas brasileiros, clássicos e contemporâneos que denunciam os tempos sombrios em que vivemos.

porto alegre, 2016

(…)
agora a colher cai da boca
e o barulho de bomba é ali fora
e a polícia pra cima dos teus afetos
munida de espadas, sobre cavalos

(Angélica Freitas)

 

 

Destino: poesia – antologia / organização: Italo Moriconi. J. Olympio, 2016. 159 p.

Antologia que reúne os cinco maiores nomes da poesia marginal, escrita nos anos 1970, no Brasil. Uma coletânea de poemas irreverentes, melódicos e contestadores, que já entraram para a história da poesia brasileira.

Lar Doce Lar

Minha pátria é minha infância:
Por isso vivo no exílio

(Cacaso)

 

 

 

 

Torquato Neto : melhores poemas / Torquato Neto ; seleção de Cláudio Portella. Global, 2018. 191 p.

Torquato Neto viveu apenas 28 anos, pouco mas suficiente pra deixar sua marca. Foi poeta, jornalista, compositor, agente cultural e defensor das manifestações artísticas de vanguarda, como a Tropicália, o cinema marginal e a poesia concreta.

Soneto da contradição

Faço força em esconder o sentimento
do mundo triste e feio que eu vejo.
Tento esconder de todos o desejo
Que eu não sinto em viver todo o momento
(…)

 

 

Modelos vivos / Ricardo Aleixo. Crisálida, 2010. 155 p.

Ricardo Aleixo é considerado um dos mais inventivos poetas brasileiros contemporâneos. Sua obra é marcada por aspectos da cultura afrobrasileira e pela denúncia ativa do racismo.

Minha linha

Que o dono da fala / nunca / permita que eu saia / da linha / a linha que / quanto mais torta / mais posso dizer / que é a minha (…)

 

 

 

 

Mundo palavreado / Ricardo Aleixo ; ilustrações Silvana Beraldo. Peirópolis, 2013. 113 p.

Re: provérbio

quem nunca comeu farelos
aos porcos se misturando
que atire a primeira
pérola

 

 

 

 

 

 

Pesado demais para a ventania : antologia poética / Ricardo Aleixo. Todavia, 2018. 195 p.

Álbum de família

Meu pai viu Casablanca três vezes (duas no cinema e uma na TV). Meu avô trabalhou na boca da mina. Meu bisavô foi, no mínimo, escravo de confiança.

 

 

 

 

 

 

 

Outros jeitos de usar a boca / Rupi Kaur ; tradução Ana Guadalupe. Planeta, 2017. 208 p.

Outros jeitos de usar a boca é um livro de poemas sobre a sobrevivência. Sobre a experiência de violência, o abuso, o amor, a perda e a feminilidade. Outros jeitos de usar a boca transporta o leitor por uma jornada pelos momentos mais amargos da vida e encontra uma maneira de tirar delicadeza deles.

eu não fui embora porque
eu deixei de te amar
eu fui embora porque quanto mais
eu ficava menos
eu me amava

 

 

 

 

Primeiro caderno do alumno de poesia / Oswald de Andrade. Companhia das Letras, 2018. 39 p.

Edição fac-similar do livro lançado originalmente em 1927, considerado por Augusto de Campos como “possivelmente o mais belo livro de poesia de nosso modernismo”.

As quatro gares
Infancia
O camisolão / O jarro / O passarinho / O oceano / A visita na casa que a gente sentava no sofá
Adolescencia
Aquelle amor / Nem me falle
Maturidade
O Sr. e a Sra. Amadeu / Participam a V. Excia. /  O feliz nascimento / De sua filha / Gilberta
Velhice
O netinho jogou os oculos / Na latrina

 

 

A vida não me assusta / poema de Maya Angelou ; pinturas de Jean-Michel Basquiat ; organizado por Sara Jane Boyers ; tradução Anabela Paiva. DarkSide, 2018. 48 p.

Publicado originalmente há 25 anos e até então inédito no Brasil, o livro reúne os talentos da poeta e ativista Maya Angelou e do artista gráfico Jean-Michel Basquiat: dois artistas com histórias de vida sofridas e infâncias problemáticas, mas que nunca se deixaram intimidar. Não importa o obstáculo, você sempre pode encontrar forças para superá-lo.

Sombras dançando nos muros
Sons que brotam do escuro
Nada na vida me assusta
Cachorros bravos rosnando
Fantasmas voando em bando
Nada na vida me assusta

 

 

 

Quadras paulistanas / Fabrício Corsaletti & Andrés Sandoval. Companhia das Letras, 2013.

Neste livro, Corsaletti se propõe a colocar a poesia – em vez da prosa – a serviço da crônica do cotidiano. Ao lado de fascinantes desenhos do artista Andrés Sandoval, temos aqui versos feitos ao calor da hora, a partir de fatos, encontros e imprevistos do dia a dia.

ônibus cheio: desisto
vou a pé, chego atrasado
menos, porém, que os amigos
que decidem ir de carro

AMPLIANDO AS POSSIBILIDADES ÉTNICAS NOS CONTOS DE FADAS

Por Paula Lisboa

Já falamos um pouco aqui sobre a importância dos contos de fadas na formação leitora das nossas crianças. Como parte do universo dos contos de tradição popular, os contos de fadas estão presentes em todas as culturas, com variações a depender de seu país e cultura de origem.

Façamos aqui outra reflexão: para além das narrativas em si, quais são as referências étnicas e culturais trazidas pelo mundo encantado das histórias mais difundidas entre nós, cujos autores e compiladores são de origem européia? Basta uma rápida pesquisa no google para constatar:

Cinderela: sempre loira de olhos azuis / Rapunzel: loira de olhos verdes, às vezes com cabelo castanho claro / Cachinhos Dourados: loira de olhos azuis / Joãozinho e Maria: cabelos castanhos por vezes loiros, mas sempre de pele branca

Não é difícil imaginar que a representação de um universo exclusivamente branco possa afetar diretamente a autoestima das crianças não brancas, assim como limitar a formação de referências étnicas de todas as crianças. Isso se torna ainda mais preocupante em um país como o nosso, onde mais da metade da população é de pretos ou pardos (54% em 2015, segundo dados do IBGE).

Foi com esta preocupação que Ronaldo Simões Coelho e Cristina Agostinho criaram magistralmente estes recontos incríveis, ambientados nas diversas regiões do Brasil. Para completar, Walter Lara ilustrou de maneira belíssima as princesas, príncipes, bruxas, monstros e animais, partindo do nosso imaginário cultural.

Vale a pena conhecer e ler para as crianças toda a coleção, já preparados para os questionamentos que é bem provável que possam aparecer. É importante estarmos abertos para a reflexão, e se ficar sem respostas podemos também expor nossas dúvidas. Afinal de contas, há quanto tempo vemos as princesas sempre brancas e loiras, não é mesmo?

AGOSTINHO, Cristina; COELHO, Ronaldo Simões. Afra e os três lobos-guarás. Belo Horizonte: Mazza, 2013.

AGOSTINHO, Cristina; COELHO, Ronaldo Simões. Joãozinho e Maria. Belo Horizonte: Mazza, 2013.

AGOSTINHO, Cristina; COELHO, Ronaldo Simões. Rapunzel e o Quibungo. Belo Horizonte: Mazza, 2012.

AGOSTINHO, Cristina; COELHO, Ronaldo Simões. Cinderela e Chico Rei. Belo Horizonte: Mazza, 2015.

DIÁRIO DE BLUMKA

por Lucas Meirelles

“Literalmente, acabou de chegar!” 🙂

“Diário de Blumka”, lançamento da autora Iwona Chmielewska, traz uma adaptação do diário da menina Blumka que, junto de outras 200 crianças viveu sob os cuidados de Janusz Korczak (1878-1942). As ilustrações são de uma delicadeza e uma sofisticação muito grandes. Tantos detalhes e tanta simplicidade. A poesia perpassa as palavras e as imagens.

Korczak, dentre outras tantas profissões/ vocações, foi pedagogo e teórico de educação e dirigiu um orfanato (descrito no livro). Lá as crianças tinham tamanha autonomia que um tribunal onde as decisões eram tomadas pelas próprias crianças foi criado. Pela leitura do texto a paixão pela educação e, principalmente, pelas crianças vai aumentando.

CHMIELEWSKA, Iwona. Diário de Blumka. São Paulo: Pulo do Gato, 2017. 70 p. ISBN 9788564974807

A HISTÓRIA DE IQBAL

por Fernanda de Lima Passamai Perez

Iqbal Masih tinha por volta de 5 anos quando ainda morava com sua família no interior do Paquistão. Depois que seu pai contraiu uma dívida – alguns creem que foi para comprar remédios, outros alegam que o dinheiro foi usado para o casamento do irmão mais velho – o pequeno menino foi entregue a agiotas para que trabalhasse em uma tecelagem até que quitasse o débito familiar. O que de fato nunca ocorreria e ele, mesmo ignorante, parecia saber disso. Após alguns anos trabalhando em condições de semi-escravidão, Iqbal subverteu as regras estabelecidas pelo mundo adulto, fugiu e revelou a todos sua condição, contribuindo para que outras crianças também fossem libertadas e pudessem voltar às suas famílias. No entanto, o garoto fez muitos inimigos e mesmo com toda projeção  internacional, Iqbal foi morto em 1995 com aproximadamente 12 ou 13 anos.

Apesar do desfecho triste, A história de Iqbal é um livro bonito. O leitor já inicia a leitura conhecendo seu final e tem a oportunidade de ir, ao longo da narrativa, elaborando e ressignificando fato tão bárbaro, através das lembranças de Fátima, menina que teria conhecido e trabalhado ao lado Iqbal. Dentro de um contexto ficcional, a pequena narradora reconstrói o período final de vida do menino, quando o conheceu e começou a crer que a vida podia ser diferente. O olhar de Fátima capta tudo, revelando, sem dúvida, fatos assustadores porém o filtro da infância abranda o peso dos acontecimentos, talvez por conta da ingenuidade, e dá esperança ao leitor.

Sem julgamentos sumários ou descrições apelativas, o livro de Francesco D’Adamo é conciso, realista, intenso e belo. Ele eterniza e divulga a luta de Iqbal Masih que, assim como Malala Yousafzai, sua conterrânea e ganhadora do Prêmio Nobel da Paz 2014, buscaram justiça para garantir seus direitos de criança, ainda que isso pudesse custar suas vidas.

D’ADAMO, Francesco. A história de Iqbal. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2016.

AQUISIÇÕES RECENTES: LITERATURA INFANTOJUVENIL


CARONA NA VASSOURA
Julia Donaldson
Brinque-Book


CARTAS DO PAPAI NOEL
J.R.R.Tolkien
WMF Martins Fontes


ANÁLIA, NATÁLIA, AMÁLIA
Lorenzi Pauli
Brinque-Book


COMO FALAR DRAGONÊS
Cressida Cowell
Ed. Intrínseca


O MENINO, A GUERRA E A BOLA
Jean-Baptiste Cabaud
WMF Martins Fontes


FRRITT-FLACC
Jules Verne
Pulo do Gato

AQUISIÇÕES RECENTES FEV. 2013

Bichos sinistros: um livro sobre ratos, baratas, aranhas e escorpiões, de Humberto Conzo Junior (WMF Martins Fontes)

Um gato no telhado, de Ana Maria Machado (Salamandra)

Meu tio lobisomem: uma história verídica, de Manu Maltez (Peirópolis)

 

O menino e a rolinha, de Jorge Fernando dos Santos (Positivo)

Contos inacabados,de J. R. R. Tolkien (WMF Martins Fontes)

Ilusões perdidas, de Honoré de Balzac (Estação Liberdade)

 

AQUISIÇÕES RECENTES MAIO 2012

Cyro & Drummond: correspondência de Cyro dos Anjos e Carlos Drummond de Andrade, organizado por Wander Melo Miranda Roberto Said

(Globo)

Os sapatos de Orfeu: a biografia de Drummond, de José Maria Cançado(Globo)

Poesia completa, de Cecília Meireles

(Nova Fronteira)

O canto das musas, de Aline Evangelista Martins e Cibelle Lopresti Costa

(Companhia das Letras)

Cachorros não dançam balé, de Anna Kemp (Paz e Terra)

 

O gato e o diabo, de James Joyce

(Cosac Naify)

AQUISIÇÕES RECENTES ABR. 2012

O pinguim chamado Pinguim que tinha pé frio, de Jorge Chaskelmann (Amarilys)

João esperto leva o presente certo, de Candece Fleming (Farol)

Macanudo, vol. 2, de Liniers (Zarabatana Books)

Artemis Fowl: a colônia perdida, de Eoin Colfer (Record)

On the road, de Jack Kerouac (L&PM)

Ficções, de Jorge Luis Borges (Companhia das Letras)

 

 

AQUISIÇÕES RECENTES MAR. 2012

Nova antologia do conto russo, de Bruno Barreto Gomide (Ed. 34)

 

Luuanda, de José Luandino Vieira (Companhia das Letras)

Leonardo da Vinci e seu supercérebro, de Michael Cox (Companhia das Letras)

O menino que mordeu Picasso, de Antony Penrose (Cosac Naify)

O cobertor de Jane, de Arthur Miller (Companhia das Letrinhas)

Flop: a história de um peixinho japonês na China,de Laurent Cardon (Panda books)

AQUISIÇÕES RECENTES MAR. 2012

Cric crec pi ploft!, de Kitty Crowther (Cosac Naify)

 

Dinos do Brasil, de Luiz Eduardo Anelli (Peirópolis)

Artur e Albion, de John Matthews (WMF Martins Fontes)

Poemas para ler na escola, de Roseana Murray (Objetiva)

O livro dos porquês, de Vários autores (Companhia das Letrinhas / Ciência Hoje)

Gabriela, cravo e canela, de Jorge Amado (Companhia das Letras)