A Cultura Popular Brasileira como eixo de trabalho do Complementar da Granja

Por Diogo Silva de Sousa e Joana Sampaio Primo 

Cavalo-marinho, Dança dos arcos, Danças circulares, Maracatu, Bumba meu boi e Boitatá são alguns dos movimentos e histórias da Cultura Popular Brasileira que o Complementar do Fundamental 1, unidade Granja, está pesquisando e que orientará o trabalho com as crianças.

Pautado na premissa de construir um espaço que ofereça maior tempo e dedicação à ampliação da formação cultural na escola, o Período Complementar organiza sua rotina compreendendo, além das diversas atividades de convivência social (lanche, almoço, lição de casa e procedimentos de estudo), diferentes momentos de interação que possibilitem o alargamento de conhecimentos das linguagens artísticas e culturais.

Os projetos de longo prazo orientam o planejamento de nossa rotina, de forma que esta fique organizada em etapas: primeiramente, as crianças dispõem de tempo para mergulhar na pesquisa da Cultura Popular, espaço próprio ao Complementar, em que elas vivenciam o contexto cultural das manifestações a partir da culinária local, das fantasias, das músicas e danças; num segundo momento, essa pesquisa ganhará mais foco, de acordo com as opções do grupo para, finalmente, tomar corpo em uma apresentação criada por elas e orientada pelo professor.

De maneira geral, no Complementar do Fundamental I da Granja queremos garantir que as crianças tenham contato prático e palpável com a pesquisa, orientadas por três princípios de triangularidade de Ana Mae Barbosa, fundamentais para a aprendizagem: a apreciação, a contextualização e a vivência. Tais princípios aproximam nossos alunos de outras formas de viver e estar no mundo, e ampliam o repertório delas de conhecimentos em história e tradição brasileira. O saldo disso tudo é que as crianças ficam “experts” em Cultura Popular!

Ademais, como o nosso Complementar recebe crianças de diferentes faixas etárias, as propostas oferecidas as desafiam em suas habilidades corporais, cognitivas, e na convivência com amigos de diferentes faixas etárias. Esse convívio interidades abre espaço para que os alunos mostrem o que sabem fazer muito bem e para que aprendam com outros colegas compartilhando seus saberes.

A rotina do Complementar configura-se como um espaço de muitos desafios e atividades, pois precisa dar conta das práticas rotineiras − como as refeições e a lição de casa −, dos projetos de estudo da Cultura Popular, do projeto de corpo e movimento, das oficinas com especialistas − arte e tecnologia, teatro, teatro de sombras e bonecas, capoeira e música − e do convívio com crianças de idades diferentes.  Assim, esse espaço é mais um desafio para a nossa Escola, que vem garantindo a aprendizagem das crianças em diferentes e múltiplos âmbitos!

Uma ideia sobre “A Cultura Popular Brasileira como eixo de trabalho do Complementar da Granja

  1. Olá Diogo!
    Parabéns pelo trabalho desenvolvido no complementar! Nossa filha Mayumi diz que seu dia preferido de ir à escola é no dia do complementar. Outro dia nos deu uma aula sobre o maracatu e nos contou que vocês fizeram um bolo de mandioca delicioso. Achamos interessante a comparação da festa do maracatu com o nosso carnaval e festa junina e o bolo de mandioca um costume da região, consumido no café da manhã, depois do almoço e jantar.
    Já pesquisamos a receita na internet e faremos no final de semana porque ficamos com “água na boca”.
    A contextualização, vivência e apreciação realmente ampliam o repertório de conhecimentos em história e tradição brasileira. Além, é claro, dos desafios constantes da capoeira.
    Abraço,
    Márcia e Nelson.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *