Ver, viver e ler a cidade, caminho para a cidadania

Escola da Vila
Na escadaria da Sé, de olhos fechados, alunos refletem sobre o que centro diz sobre nós

.

Por Tiago Pinto Ferreira, professor de Ciências Humanas do F2

Dia 1º de maio de 2018, São Paulo acordou mais cedo. Era Dia do Trabalho, um dia de luta. Às 2h da manhã, um edifício de 24 andares veio abaixo, no centro da cidade; a luta, virou luto. A imagem do prédio desabando se espalhou rapidamente pelas televisões e pelas redes e ganhou contornos ainda mais dramáticos, por registrar o exato momento em que um morador, prestes a ser socorrido pelo Corpo de Bombeiros, foi engolido pelas chamas e escombros. Ricardo, mais conhecido como Tatuagem, tinha 30 anos, trabalhava como carregador, gostava de plantas, era skatista e foi a primeira vítima fatal da tragédia.

O edifício Wilton Paes de Almeida já havia abrigado a sede da Polícia Federal e desde 2002 pertencia à União. Por estar abandonado, em uma cidade com um déficit habitacional de cerca de 358 mil moradias[1], foi ocupado por um dos vários movimentos sem-teto da cidade e passou a abrigar cerca de 50 famílias de trabalhadores. Somente no centro de São Paulo são 70 prédios ocupados[2] e, na cidade, cerca de 708 edifícios[3] já foram notificados por não estarem cumprindo sua função social, ou seja, não são utilizados para moradia, atividades econômicas, sociais ou culturais, como determina a Constituição Federal.

Escola da Vila
Aluno do 8º ano, observando o prédio Wilton Paes de Menezes, dias antes da tragédia

A despeito das dúvidas que envolvem o caso, como a idoneidade dos coordenadores do movimento dessa ocupação e as diferenças entre as estratégias e os valores, que orientam os inúmeros grupos que lutam pelo direito à moradia em São Paulo, a tragédia, como faísca, reacendeu um importante debate em nossa sociedade: por que existem tantos imóveis vazios em uma cidade em que tantos não têm onde morar?

Escola da Vila
No transporte público

Dia 6 de abril, um grupo de alunos do Ensino Fundamental II da Escola Vila foi para o centro de São Paulo, com o objetivo de descobrir o que essa região da cidade revela sobre nossa realidade social. Para responder a essa questão, percorremos um roteiro que se iniciou na Praça da República e se encerrou na Sé. Os alunos, divididos em grupos, observaram principalmente os tipos sociais, os prédios, suas funções e arquitetura, os diferentes usos do espaço público, a arte de rua e registraram suas observações em diferentes formatos, como fotos, desenhos e versos. No trajeto, a primeira parada se deu no Largo do Paissandu para observarmos um prédio todo de vidro, que chamava a atenção por estar pichado de cima a baixo e por se tratar de uma das maiores ocupações do movimento sem-teto no centro. “Tem pessoas morando aí?” Em seguida, cruzamos a famosa Galeria do Rock, berço de diversos movimentos culturais, como o punk, o hip-hop, dentre outros. Saindo da galeria, caminhamos em direção ao Theatro Municipal, edifício inspirado na Ópera de Paris e palco principal da Semana de Arte Moderna de 22. No outro lado da rua, um shopping ocupa o antigo prédio da Light, empresa que teve papel central no planejamento urbano de São Paulo.  No Viaduto do Chá, paramos para ouvir a cidade: o som dos carros quase lembra o som do rio… Em frente à Praça do Patriarca, “Praça do Patriarca?”, os alunos avistaram a sede da prefeitura. Na entrada, o brasão da cidade: Non Ducor Duco (Não sou conduzido, conduzo), e em todo o seu entorno, grades e polícia. “Por quê?”

Escola da Vila
Theatro Municipal

No muro da Igreja de São Francisco que, junto com o Mosteiro de São Bento e Catedral da Sé, compõe o famoso Triângulo Histórico, marco do princípio da urbanização da cidade, lia-se “Menos cadeia e mais escola”. Próxima estação: Sé. Onde tudo começou, onde tudo termina. “Por que estas pessoas estão aqui?” ou, parafraseando Adoniran Barbosa, “e essa gente aí, como é que faz?”.

Aprender na cidade

Na Carta das Cidades Educadoras, elaborada no 1º Congresso Internacional das Cidades Educadoras (1990), reuniram-se “os princípios essenciais ao impulso educador da cidade”. Nos primeiros parágrafos de seu preâmbulo é possível identificar e compreender o papel que a cidade tem ou pode ter no processo de formação de seus cidadãos:

(…) a cidade oferece importantes elementos para uma formação integral: é um sistema complexo e ao mesmo tempo um agente educativo permanente, plural e poliédrico (…) A cidade educadora tem personalidade própria, integrada no país onde se situa é, por consequência, interdependente do território do qual faz parte. (…) O seu objetivo permanente será o de aprender, trocar, partilhar e, por consequência, enriquecer a vida dos seus habitantes.

Para compreender o “avesso do avesso”, é fundamental ler a cidade. Nesse sentido, é essencial criar novas metodologias e propostas didáticas que possibilitem aos alunos acessar espaços, histórias e realidades que muitas vezes não se encontram nos limites da escola.

Em 2018, o Vila Ativa tem como um dos seus principais objetivos ampliar a relação da escola com a cidade, a partir de atividades que possibilitem a compreensão dos diversos alfabetismos urbanos. Entender a cidade como discurso, e compreendê-lo, permite desconstruí-lo, por meio da criação de caminhos de aprendizagem que o confrontem. Por essa razão, o centro, espaço de convergência, de tempos, rios, pessoas e contradições, é lugar privilegiado para uma leitura crítica de São Paulo e do Brasil contemporâneo. Certamente as imagens captadas pelos alunos ganharam outro sentido e dimensão. O prédio que estava lá não está mais, as pessoas que estavam lá não estão mais. De onde vieram? Para onde vão? Qual o papel do Estado nessa tragédia? E o nosso?

Escola da Vila

Ver, viver e ler a cidade é, portanto, um objetivo a ser perseguido pela Escola. Trata-se de uma estratégia que certamente enriquece o processo de construção do conhecimento, e que pode contribuir, de maneira decisiva, para a formação de cidadãos atuantes, sensíveis às desigualdades de toda ordem e, por consequência, comprometidos em participar da criação de realidades outras, mais justas, mais humanas.


[1] Fonte: Secretaria Municipal de Habitação.

[2] Fonte: Secretaria Municipal de Urbanismo e Licenciamento.

[3] Fonte: Secretaria Municipal de Urbanismo e Licenciamento.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>