A diversidade extrapola os muros das classes

Escola da Vila

.

“Si hay algo semejante en todas las aulas, es precisamente que en todas reinan las diferencias.” Delia Lerner

 Por Angela de Crescenzo e Julia Narvai, Orientação Educacional do Fundamental 2 

Todos temos distintos tempos para aprender, mas a escola, de uma forma geral, quer que todos aprendam ao mesmo tempo, da mesma forma, o mesmo conteúdo. Essa questão é sempre motivo de reflexão na Vila, novas formas de agrupamentos são pensadas e experimentadas e o GEPE – Grupo de Estudos de Produção Escrita surge como mais uma iniciativa nesse sentido.

Um dos temas norteadores de diversas ações institucionais da Vila em 2018 é o atendimento à diversidade. A escola já realizou, este ano, uma série de reuniões pedagógicas dedicadas ao tema, para nossa equipe interna, e também vem atuando na formação de profissionais de outras escolas e na formação da nossa comunidade escolar – como a viagem pedagógica internacional para Buenos Aires e uma reunião de famílias cuja pauta foi a diversidade.

Entre tantas outras ações realizadas, inauguramos no 1o trimestre um projeto piloto para o Fundamental 2 na Unidade Morumbi: o GEPE. Emilia Ferreiro diz que cabe à escola “transformar la diversidad conocida y reconocida en una ventaja pedagógica” e para isso é preciso criatividade, pensar em novas formas de ensinar, de acolher as diferenças existentes. O grupo se reúne uma vez por semana e tem por objetivo favorecer o vínculo positivo dos alunos com as aprendizagens que envolvem leitura e escrita, além de criar mais condições para que se sintam confiantes dentro e fora da sala de aula.

No GEPE, a diversidade é justificativa, método e objetivo. Temos um grupo multisseriado, composto por alunos de 6o a 9o ano, com diferentes trajetórias escolares. Uma das principais estratégias que utilizamos é proporcionar a interação intencional desses alunos, ao constituir um novo grupo, de modo que possam assumir papéis diferentes do que estão acostumados a exercer. Para nós, o mais importante é que os papéis se alternem: queremos que um mesmo aluno possa vivenciar o lugar de quem sabe e de quem aprende, sabemos que quando o aluno está no lugar de quem ensina também aprende muito, pois, ao fazer esse exercício, precisa reorganizar o que sabe e, assim, ensinar o colega.

Outro ponto importante é que estamos constantemente dialogando com as aprendizagens propostas nos cursos regulares de cada série, apesar de não abordar os mesmos conteúdos trabalhados em sala de aula. A partir do repertório criado ao longo de toda a escolaridade dos alunos, da apreciação dos contos escritos pelos alunos de 8os anos de séries anteriores e da proposta de leitura de uma resenha crítica sobre um livro de contos, os alunos foram convidados a produzir livremente um conto. Esse é o depoimento que recebemos de uma aluna do 6o ano que está estudando contos fantásticos em sala de aula e vindo ao GEPE: “Neste trimestre eu amei o tema que a Ju e a Angela propuseram porque fiquei superinteressada e empolgada para escrever meu conto sobre uma menina que não tinha condições financeiras para estudar em uma escola particular. Foi um dos textos que ficou mais longo e mais bem escrito por mim!! Esse foi um projeto muito legal e interessante, porque lemos textos feitos por alunos de anos anteriores, fizemos contos e revisões. Todo esse processo me ajudou a ter novas ideias para escrever meus contos fantásticos em sala de aula. Foi uma boa ideia a escola criar esse projeto!!” F. M. 6o ano

Foi estudando os documentos argentinos e por meio das contribuições da última viagem internacional que encontramos sustentação para desenvolver esse trabalho. Uma publicação do Ministério da Cultura e da Educação da Argentina propunha, já em 1986, que “para dar respuesta a la diversidad cultural y lingüística, no había que atender de manera especial a “los diferentes” sino modificar las actividades escolares para todos los alumnos (…) Esto suponía producir algunos cambios en la organización de la escuela y, sobre todo, suponía crear instancias periódicas en las que se invertían los papeles en relación con el poder lingüístico”. (El fracaso escolar no es una fatalidad).

Do ponto de vista do professor e da escola, quando pensamos em agrupamentos flexíveis também temos que fazer um exercício de propor atividades que atendam a diversas cronologias de aprendizagem, isso supõe construir um novo saber pedagógico.

Outra preocupação é que os alunos que estão trabalhando em pequenos grupos no contraturno (GEPE) levem informações e produções para os demais, pois assim estarão sendo validados como grupo que sabe e está produzindo saber.

Além dessa estratégia, também temos promovido durante os encontros o trabalho com produções escritas que extrapolam os temas discutidos e trabalhados em sala de aula a fim de ampliar o repertório cultural e a reflexão sobre temas do mundo. A discussão e a produção escrita que os alunos fizeram a partir das leituras do texto “Todo mundo cresce igual?”, postado no blog Capitolina, e “Vida perfeita só existe no Facebook”, da revista TPM, foram bastante positivas na nossa avaliação. Trazemos temas que são presentes na vida deles, que fazem parte das reflexões da faixa etária. Um aluno do 8o ano nos deu o seguinte depoimento: “O GEPE é outra oportunidade de melhorar. No GEPE não são abordados apenas os temas estudados dentro da matéria de LPL, como a matéria de LPL no geral. É interessante essa troca de conhecimentos entre alunos de diferentes séries, porque isso ajuda a expandir o conhecimento de cada aluno, já que cada um tem um discernimento diferente sobre a matéria de LPL e pode contribuir para ampliar o aprendizado do próximo. Fizemos uma atividade interessante que consistia em ler um texto e analisar as diferentes interpretações que esse texto propõe sobre a ideia de crescer. Cada um também pôde dar a sua opinião sobre a sua maneira de entender o que é crescer.” R.G. 8o ano

No GEPE a avaliação é constante, por meio da troca entre eles e da nossa observação e análise das produções e da participação dos alunos. Assim, conseguimos dimensionar os avanços nos procedimentos e nas produções. Da mesma forma avaliamos constantemente o próprio projeto para que cumpra cada vez melhor com seus objetivos. Sabemos que aprender não é um processo simples, mas os depoimentos abaixo demonstram entusiasmo com a iniciativa e com algumas das conquistas já observadas por eles.

“O GEPE me ajudou porque, conversando com um colega que já havia passado pela experiência de produzir contos no ano anterior, consegui perceber que eu havia colocado detalhes na história que já haviam sido citados no começo do texto, e achei essa ajuda muito legal.” B. G. 8o ano

“Estou achando muito legal o GEPE!!! Ele está me ajudando muito com escrita de texto e além disso o GEPE é muito legal e divertido” N.M. 6º ano

O GEPE para mim é uma oportunidade de poder melhorar… Apesar de parecer com o SMA, eu acho que é bem diferente, porque lá no SMA costumamos estudar uma matéria que estamos vendo, especificamente a matéria de cada trimestre. Já no GEPE nós vemos temas mais gerais e que não só ajudam temporariamente para uma matéria, mas sim para boa parte delas, visto que há alunos do 6º ao 9º ano juntos estudando um mesmo tema. Por isso acho que o GEPE ajuda bastante com o estudo, seja para o 6º, o 7º, o 8º ou para o 9º.” T.T. 9o ano 


Referências

LERNER, Delia. Enseñar en la diversidad. Conferencia dictada en las Primeras Jornadas de Educación Intercultural de la Provincia de Buenos Aires: “Género, generaciones y etnicidades en los mapas escolares contemporáneos”, 2007.

TERIGI, Flávia. As cronologias de aprendizagem: um conceito para pensar as trajetórias escolares. Conferência realizada em 23 de fevereiro de 2010 na Jornada de abertura do ciclo letivo de 2010 – Ministério de Cultura e Educação – Governo de La Pampa. Tradução: Miruna Kayano Genoino, 2017.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *