Sustentabilidade, um valor inegociável

Escola da VilaEscola da Vila

Sem canudinhos, com segunda-feira sem carne e andando de bicicleta, salvaremos o planeta?

Por Susane Lancman, coordenação do Ensino Médio

Quando era pequena não me lembro de qualquer preocupação planetária, no máximo perdi algumas noites pensando se o Alien, o oitavo passageiro, poderia de fato existir, por outro lado tinha o E.T. que amenizava a insônia… Um passado não tão distante e bem mais leve, quando comparado ao presente em que crianças e jovens percebem que o planeta corre perigo real.

A finitude dos recursos naturais, a poluição do ar, o aumento da temperatura, os desastres naturais… enfim, é premente que algo seja feito. Problemas enormes, desafios gigantescos e soluções que podem parecer ridículas: abolir canudinhos, segunda-feira sem carne, andar de bicicleta. Afinal sabemos que os vilões estão longe de ser o canudinho, a produção do metano pelas vacas e o gás carbônico de carros. Assim, reduzir a complexidade para ações corriqueiras pode parecer patético.

No dia 15 de fevereiro, o professor Edson Grandisoli fez a palestra de abertura do ano do Ensino Médio sobre sustentabilidade, assunto difícil por várias razões: escutamos e vemos em demasia as mazelas no planeta e nos sentimos impotentes diante de tamanha problemática. O professor apresentou formas de reduzir o problema com ações simples e inúmeros exemplos de chamar a atenção para o assunto, contudo gerou um incômodo em muitos de nossos alunos. Explico: seria de se supor que jovens se sentissem aliviados ao perceberem que podem impactar positivamente o planeta, contudo nossos alunos sabem que essas ações simples não modificam a forma de funcionamento em nossa economia, que exige aumentar cada vez mais o consumo, então as ações para “cuidar do planeta” parecem simples alegorias.

Sem dúvida há uma incompatibilidade entre o nosso sistema econômico, que exige um alto nível de produção e consumo, e a preservação ambiental, mas será que é possível ter uma política de consumo sustentável? Será que é possível lidar com os limites ecológicos, uma economia capitalista e promover a justiça social?

No início da palestra, o professor pediu que disséssemos a palavra que nos vem à mente quando pensamos em sustentabilidade, e a palavra mais dita foi MEIO AMBIENTE. No final da palestra, fez a mesma questão e o resultado foi a palavra VALOR. Creio que era esse o grande objetivo do encontro, nossos alunos pensarem na sustentabilidade como um valor inegociável, portanto se impactarem para pensar em formas de agir mais sustentáveis. Isso significa que é preciso ter ações relacionadas ao macrossistema em que sejam modificadas tanto a estrutura de produção de forma que as necessidades das pessoas sejam supridas usando o mínimo de recursos, quanto em nossa esfera pessoal e comunitária com ações aparentemente “alegóricas”.

A temática permeará o ano letivo da Escola da Vila com várias ações voltadas a pensarmos de forma mais sustentável, agirmos de forma mais sustentável e sermos mais sustentáveis.

#SustentaVila

6 ideias sobre “Sustentabilidade, um valor inegociável

  1. Quando falam que os vilões estao longe de ser o canudinho, a produção de metano pelas vacas e o gas garbonico de carros…ao que se referem? Quais seriam os grandes vilões principais responsáveis pela diminuição de recursos naturais, poluição do ar e das aguas, aumento da temperatura global e desastres ambientais??
    Sabemos hoje que todos os anos mais de 70 bilhões de animais terrestres sao criados como alimento para uma população de mais de 7 bilhoes de pessoas na Terra. Animais que consomem uma grande quantidade de água, comida e recursos energeticos, produzem um volume imenso de excremento, contaminam mananciais, causam erosao do solo e poluem atmosfera.
    Fonte da ONU 2009- o setor de producao animal é um dos principais responsáveis pelos maiores problemas ambientais atuais, em todas as escalas.
    Fonte ONU 2009- devido ao uso intensivo de água na cadeia de produção de carne, um consumidor medio demanda indiretamente mais de 3.800 litros de agua por dia.
    A produção de 1 kg de carne bovina no Brasil emite 335kg de gas carbonico, equivalente às emissoes de dirigir um carro europeu médio por 1600km.
    A pecuária é a principal responsável pelo desmatamento da Amazônia. Além da grande quantidade de graos produzidos para alimentacao de animais como milho, cevada e soja, em um planeta com 1 bilhao de pessoas passando fome…

    • Primeiramente agradeço os comentários, porque eles possibilitam explicitar melhor as ideias do texto. Não tenho nenhuma dúvida da importância das “ações simples”, tentei usar da ironia mas pelo visto não fui bem compreendida.

      Ações simples, patéticas e alegoria foram os termos usados para ironizar aqueles que pensam que nada pode ser feito, esperando mudanças estruturais relacionadas ao sistema econômico e até que essas aconteçam não se sentem responsáveis pelas mazelas do Planeta..

      A intenção do texto era justamente explicitar a codepêndencia entre o macro e micro sistema, entre as ações políticas e econômicas macroestruturais e ações comunitárias e individuais. Assim, é preciso deixar de comer carne uma vez por semana e ter ações que reduza a quantidade de pastos para reduzir o metano; deixar de usar canudinho e ter ações para criar outros materiais que causem menos impacto ambiental; andar de bicicleta e ter ações que melhore o transporte público.

      Sem dúvida as pequenas ações parecem pequenas, mas causam impacto positivo ou negativo em nosso sistema ecológico tal como demonstram os dados que são apresentados nos comentários dos posts. Sabendo disso está sendo formado um grupo denominado SustentaVila, formado por alunos e funcionários, visando dar conta de pensar ações que tornem a Escola da Vila mais sustentável e conscientizem ainda mais a nossa comunidade para contribuirmos no equilíbrio de nosso Planeta.

      Susane.

  2. Eu realmente gostaria de saber quais seriam as ações relacionadas ao macrosistema?
    Pois os números da segunda sem carne somente no Brasil em 2018 é bem expressivo para você classificá-la como “ações simples”.
    Somente no programa escolar público a segunda sem carne gerou 67 milhões de refeições veganas, uma redução de 2,5 milhões de kg de carne e outros derivados animais, beneficiando diretamente o meio ambiente.

    • Olá, Bruno e Caroline.
      Primeiramente agradeço os comentários, porque eles possibilitam explicitar melhor as ideias do texto. Não tenho nenhuma dúvida da importância das “ações simples”, tentei usar da ironia mas pelo visto não fui bem compreendida.

      Ações simples, patéticas e alegoria foram os termos usados para ironizar aqueles que pensam que nada pode ser feito, esperando mudanças estruturais relacionadas ao sistema econômico e até que essas aconteçam não se sentem responsáveis pelas mazelas do Planeta..

      A intenção do texto era justamente explicitar a codepêndencia entre o macro e micro sistema, entre as ações políticas e econômicas macroestruturais e ações comunitárias e individuais. Assim, é preciso deixar de comer carne uma vez por semana e ter ações que reduza a quantidade de pastos para reduzir o metano; deixar de usar canudinho e ter ações para criar outros materiais que causem menos impacto ambiental; andar de bicicleta e ter ações que melhore o transporte público.

      Sem dúvida as pequenas ações parecem pequenas, mas causam impacto positivo ou negativo em nosso sistema ecológico tal como demonstram os dados que são apresentados nos comentários dos posts. Sabendo disso está sendo formado um grupo denominado SustentaVila, formado por alunos e funcionários, visando dar conta de pensar ações que tornem a Escola da Vila mais sustentável e conscientizem ainda mais a nossa comunidade para contribuirmos no equilíbrio de nosso Planeta.

      Susane.

  3. Sustentabilidade é uma condição de uso dos recursos disponíveis no ecossistema que o torna equilibrado, economicamente, socialmente e ambientalmente. Ou seja, a busca da sustentabilidade é buscar pelo menor custo, em uma sociedade que cria valor/receitas para as quais o nosso planeta não consegue absorver se não for através da compensação dos impactos gerados pela espécie humana. Sustentabilidade não é bonito, é uma necessidade da nova economia.

  4. Alguns ecólogos introduziram os conceitos de crescimento deseconômico e decrescimento que vêm sendo bastante descutidos em âmbito acadêmico.
    O paradigma do crescimento sustentável pode ser inócuo se não levarmos em conta que impera outro tipo de desenvolvimento, e que se não for atribuido um valor ou custo ambiental, o ônus aos ecossistemas não entra na conta dos sistemas financeiros. É o crescimento deseconômico.
    Mais recentemente, a idéia de decrescimento surgiu como uma possibilidade de que alguns países e regiões, possam corrigir seu impacto, através da desindustrialização, do desconsumo, visando valorizar seus ambientes, reduzindo o impacto do crescimento deseconômico que tiveram.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *