A experiência do intercâmbio na SAD.

Por Fermín Damirdjian

No dia 14 de outubro, os 9 alunos que fizeram o intercâmbio apresentaram uma das atividades realizadas durante os 15 dias que passaram em Buenos Aires. A viagem é parte do curso de espanhol da Escola da Vila. No programa, eles recebem alunos de uma escola parceira (Colegio de la Ciudad) da capital portenha, e posteriormente os brasileiros vão para lá, hospedar-se na casa das famílias daqueles que eles receberam aqui. Seguem, assim, a rotina de qualquer adolescente de Buenos Aires, o que inclui naturalmente a rotina escolar.

Por outro lado, a oportunidade é aproveitada para conhecer a cultura em todos os aspectos possíveis – política, música, urbanização, esportes, etc. Uma das atividades consistiu em pesquisar e visitar um movimento de ocupação e recuperação de uma fábrica que falira durante os anos 90 – a “IMPA”.

Esta metalúrgica fundada na primeira década do século XX acompanhou todos os movimentos da dinâmica econômica e política dos últimos 100 anos na Argentina. Nasceu como empresa privada no boom industrial dos anos 10, foi estatizada durante o governo peronista, sofreu intervenção militar na ditadura dos ’70, foi privatizada e faliu nos anos 90, passou para as mãos da população mediante uma gestão alternativa nos anos 2000.

Sua história é, portanto, emblemática. Como muitas outras, a fábrica faliu durante o período de neoliberalismo menemista, nos anos 90. No fim dessa década, o bairro apoiou o grupo de dezenas de operários que enfrentou a polícia para ocupá-la e acionar suas máquinas em um momento em que o desemprego atingiu seu ponto mais alto na história do país. Como forma de retribuição ao apoio da vizinhança, os funcionários chamaram um grupo de estudantes que levantou uma demanda da região que pudesse ser suprida pela fábrica. Surgiu então um curso de alfabetização de adultos, atualmente regulamentado pelo Ministério da Educação. Ao mesmo tempo, pelo valor simbólico dessa experiência, os pavilhões da IMPA foram sendo ocupados por oficinas e apresentações de teatro, fotografia, circo e uma grande variedade de eventos do circuito cultural de Buenos Aires.

Nossos alunos passaram um dia na fábrica, e conversaram ali com o gerente, Eduardo Murua, além de fotografar as instalações, conversar com os funcionários, ver a escola funcionando e travar contato com os educadores que ali trabalham.

 Toda a experiência foi relatada para seus colegas dos 1º e 2º anos da Escola da Vila, durante a SAD.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *