“Os livros na minha vida!? Eu entrei na vida deles!”

_

Por Fernanda Passamai Perez

Tatiana Belinky, para quem uma casa sem livros é uma casa sem alma, foi homenageada na sexta, dia 21, e será, ao longo desta semana, com uma série de encontros na Biblioteca Tatiana Belinky para Leituras BELINKYANAS.

Um grande entra e sai de crianças, muita alegria e muita energia!

O clássico O Caso do Bolinho teve a canção do simpático Bolinho cantada diversas vezes, a fim de, em coro, ajudar o cremoso bolo redondo a fugir de seus possíveis predadores. Entretanto, nem com a ajuda do grupo, nem da Juliana, aluna do 6º e grande entusiasta das Leituras Belinkyanas, que ajudou numa das leituras, foi possível escapar da ardilosa raposa.

Limeriques do Bípede Apaixonado fez muito sucesso, ao trazer à lembrança os divertidos versos nos quais Tatiana era especialista: os limeriques. Depois do puxa, que puxa, que puxa em O grande rabanete, descobrimos que o nabo do conto original foi substituído pelo rabanete na adaptação de Tatiana, pois ela detestava a, segundo ela: “insonsa raiz”. Os “maiores” se encantaram com um dos retalhos do livro de crônicas Bidínsula e outros retalhos, no qual nossa patronesse revela seu modo de escolher suas leituras. Ao invés de escolher pelos títulos, ela escolhia primeiro o sentimento que queria sentir: medo, graça, susto, diversão. Bom conselho, não é?

Também tivemos a homenagem em forma de flores. Recebemos em nome da dinda arranjos oferecidos por alguns de seus leitores. Nosso espaço ficou mais colorido e perfumado. Em nome dela, também agradecemos. Obrigada!

Enfim, passamos o dia como Tatiana gostava, com crianças e muita prosa. Histórias reais, inventadas, recontadas ou traduzidas. Diz algum ditado popular que a pessoa cujo nome é dito repetidas vezes não morre jamais. Desse modo, pudemos, além de distribuir contos, confirmar aquilo que já sabíamos: pessoas como ela não morrem, viram HISTÓRIA!

Venham visitar nosso espaço para conhecer outros livros dela e ler no MURALIQUE TATIANA BELINKY os relatos de alguns alunos sobre suas experiências com os livros da autora.

Homenagem a Tatiana Belinky

Tatiana Belinky, Yara Carmona, Mara Dias e Heloísa Prieto na inauguração da "Biblioteca Tatiana Belinky".

Tatiana Belinky, Yara Carmona, Mara Dias e Heloísa Prieto na inauguração da “Biblioteca Tatiana Belinky”.

Por Aline Evangelista Martins

-

“Brincar com palavras

Eu gosto e consigo

Mas acho melhor

Que elas brinquem comigo”

 

Neste final de semana, despedimo-nos de Tatiana Belinky. Para a comunidade da Escola da Vila, essa é uma ocasião especial, de muito respeito e de doces recordações: a inauguração da biblioteca, as visitas sempre afetuosas aos nossos alunos, a leitura de seus livros, o nome da biblioteca da unidade Butantã…

Nesse momento de despedida, voltamos nossas atenções para as afinidades entre essa grande escritora e a nossa escola. Por que nos identificamos tanto com ela? O que sempre a deixou tão perto de nós?

Tatiana Belinky sempre ressaltou, em suas entrevistas, a relação de prazer e encantamento com as palavras, com as histórias e com a possibilidade de contá-las. Esse parece ser um de seus grandes ensinamentos à nossa comunidade. Afinal, é isso o que esperamos que seja vivido por nossos alunos a cada roda de biblioteca, a cada sessão de leitura, a cada troca de indicações de livros.

Outra lição importante da patronesse de nossa biblioteca é a valorização da diversidade. Seja por suas raízes russas e judaicas, seja pela imersão desde muito jovem na cultura brasileira, seja pelo intenso trabalho como tradutora, Tatiana Belinky contou e recontou lindamente belas histórias, que tanto colocam os jovens leitores em contato com paisagens distantes, quanto com a riqueza daquilo que está bem perto deles.

Outro aspecto que sempre se destacou em Tatiana Belinky, e que inspira cada dia de trabalho com a formação do leitor na Escola da Vila, é o respeito pela inteligência das crianças e a constante preocupação em nunca subestimá-las. Em suas entrevistas, ela sempre ressaltava a importância de darmos atenção às perguntas infantis, bem como estimulava os pequenos a serem curiosos e a não aceitarem respostas bobas.

Essas são apenas algumas, dentre as muitas lições que aprendemos com essa grande mestra. Neste momento de homenagens e despedidas, reafirmamos o desejo de que cada leitor que entre na biblioteca Tatiana Belinky encontre lá uma atmosfera muito inspirada em nossa querida patronesse: leveza, bom humor, admiração pelas palavras e pelas histórias de todos os povos, em todos os tempos.

Viagem Literária

Por Paula Lisboa

Há algumas semanas, tive a feliz oportunidade de participar de um programa de incentivo à leitura, realizado pela Secretaria de Estado da Cultura: o Programa Viagem Literária. Contando com o apoio das bibliotecas públicas de 70 municípios paulistas, o programa integra um conjunto de ações que visa estimular o vínculo entre os leitores e sua biblioteca pública local. Dentre estas ações, são promovidos encontros de autores e contadores de histórias com seu público, com o objetivo de estimular o hábito de ler, bem como valorizar e revitalizar as bibliotecas.

Durante seis dias, viajei por cinco cidades diferentes: Lençóis Paulista, Palmital, Fartura, Taguaí e Cerqueira César, algumas delas com a população equivalente à metade da lotação do estádio do Pacaembu. São cidades que não contam com livrarias e sebos diversos, nem com diferentes opções de escola para as crianças. A grande maioria estuda em escola pública, que, muitas vezes, não conta com uma biblioteca para atender seus alunos.

Sendo esta a realidade, havendo tão pouca oferta e contato com os livros, qual possibilidade as crianças têm de formarem-se leitoras que não as ações de incentivo ao uso das bibliotecas públicas?

Aqui, na Escola da Vila, temos o privilégio de contar com bibliotecas muito bem cuidadas, com acervo de qualidade e em boa quantidade, atividades frequentes de uso dos livros e um currículo incrível na formação do leitor. Moramos em uma cidade que conta com inúmeras livrarias e sebos, além das diversas bibliotecas públicas. Não nos falta oportunidade de estar em contato com bons livros. Não nos falta possibilidade de criarmos uma boa relação com a leitura.

Adoraria que nossas crianças pudessem ter uma mínima ideia do quanto são felizes com tamanha oportunidade! Durante a viagem, contei história para grupos de até 300 crianças, radiantes por estarem diante de uma narração, por deixarem-se levar pela fantasia de novos mundos, por experimentarem as infinitas possibilidades que uma só história pode abrir em nossa mente.

É emocionante ver a história virar notícia na rádio e no jornal; é mesmo incrível presenciar a história levando alegria e saúde às pessoas. Orgulhei-me, confesso, de conhecer uma cidade reconhecida como A Cidade do Livro, e outra onde a população retira livros com frequência na biblioteca pública, desenvolvendo sua própria formação enquanto leitores, usufruindo do acervo e das ações afirmativas de incentivo à leitura.

Se tenho um aprendizado a tirar desta experiência, seria não mais que este, já tão falado e ouvido: o prazer pela leitura se realiza lendo, se desenvolve no contato com os livros e as histórias. Basta ter um leve empurrãozinho e um mínimo de possibilidade. Existindo o incentivo a esse contato, logo se descobre a incrível experiência que a leitura nos proporciona!

Inauguração do site da Biblioteca

a

a

Por Angela Müller de Toledo

Estamos inaugurando hoje o site da Biblioteca da Escola da Vila. É uma alegria poder contar com um meio de divulgação do acervo, serviços e produtos deste setor que é tão importante para a viabilização dos inúmeros projetos de leitura, escrita e pesquisa que fazem parte do cotidiano escolar desde a Educação Infantil até a Pós-Graduação. Além disso, o site também facilitará a comunicação entre toda a comunidade e os funcionários das bibliotecas.

No momento temos três grandes áreas de consulta funcionando no site: Políticas, Indicações Literárias e Acervo.

Nas políticas os interessados encontrarão os objetivos do setor, as diretrizes para o desenvolvimento do acervo, assim como as principais regras de circulação de materiais e por categoria de usuário.

Dentro de um projeto mais amplo de formação do leitor, as indicações literárias pertencem a um grupo de ações da biblioteca que visa fornecer subsídios para a escolha do livro de literatura diante de um tão grande número de títulos disponíveis no mercado e no nosso próprio acervo. Esta é uma prática antiga nossa, temos mais de uma centena de pequenas resenhas dirigidas aos alunos e tantas outras dirigidas a pais e professores que, gradativamente, serão colocadas no site. As obras resenhadas não são, necessariamente, do grupo de novidades adquiridas pela biblioteca, ao contrário, a indicação pode ser de um livro que anda esquecido em nossas estantes, pois a ideia que nos move é a de que bons livros nunca envelhecem.

Finalmente chegamos à consulta ao acervo. Estamos abrindo hoje à pesquisa on line seis grandes classes de obras: generalidades, filosofia, religião, ciências sociais, línguas e literatura adulta, com o devido destaque para as áreas de psicologia, sociologia, política e para nossa coleção especial de educação.

Este é um grande passo na direção da informatização do acervo e dos serviços da biblioteca da Escola da Vila, mas também em direção a um objetivo maior que é a educação para as práticas de pesquisa.

Nos próximos meses abriremos um setor de novidades da aquisição, ou seja, uma lista de livros novos que entram nas bibliotecas, ao mesmo tempo em que trabalharemos na inserção dos dados da nossa imensa coleção de livros de literatura infantojuvenil.

Esperamos que todas essas novidades facilitem a vida dos usuários em suas rotinas e procedimentos.

O endereço é www.escoladavila.com.br/biblioteca

Os pequenos vão a uma biblioteca pública!

 

Por Daniela Munerato

A leitura é a mais nobre das distrações. (Marcel Proust)

Frequentar a biblioteca Tatiana Belinky e José Mindlin na escola é sempre um momento muito esperado e, ao mesmo tempo, encantador. As crianças, desde o Grupo 1, ouvem histórias diversas nestes espaços e compreendem que este espaço é quase mágico. Vocês já imaginaram ter tantos livros num só lugar?

A partir do Grupo 2 as crianças iniciam uma outra etapa na sua vida de leitores: tornam-se usuários plenos de uma biblioteca! Podem emprestar livros semanalmente. Livros que permanecem em casa durante o período de uma semana e podem ser compartilhados com diferentes leitores (pais, mães, irmãos mais velhos e outras pessoas queridas, com as quais as crianças convivem diariamente). Podem ser lidos, folheados, mas são também cuidados de um jeito especial, e sempre trazidos no prazo combinado, para que um novo empréstimo possa ser realizado.

Para o G3 – já leitores vorazes – guardamos uma novidade muito especial, e que amplia ainda mais os olhares dos nossos pequenos leitores para o mundo dos livros: uma visita a uma biblioteca pública! E o que isto significa?

Significa a visita a um lugar onde todos somos (ou deveríamos ser) iguais. O Manifesto do IFLA/Unesco refere doze importantes missões de uma biblioteca pública, sendo algumas delas fortalecer o hábito da leitura, assegurar às pessoas meio de desenvolver-se de forma criativa, o apreço pelas artes e pelas realizações científicas, entre outras tantas. É também um lugar preparado cuidadosamente para comportar um tal acervo, para receber os usuários de forma confortável… Sem falar no tanto que as crianças podem pensar sobre sua relação com os livros que pertencem à uma comunidade, seja ela privada, como a da escola, seja ela a sociedade, as pessoas do bairro. A compreensão do que é um espaço público e um espaço privado… são tantas aprendizagens! E, o melhor de tudo, saber que se pode ler livros que circulam por muitas casas, que frequentam muitos e diferentes leitores. E que não precisamos tê-los todos.

E foi neste contexto de preparação que o dia tão esperado chegou para cada um dos Grupos 3.  Lancheiras em mãos, combinados feitos e todos em direção ao ônibus! Isto mesmo! Este foi o primeiro passeio feito com a escola. E fomos cantando, contando, escolhendo parceiros de viagem, com os quais interagiam durante todo o percurso de ida e volta. Os assuntos? Reconhecimento do trajeto, carros que passavam, pontos de referência, etc.

Na biblioteca, os olhinhos brilhavam e as crianças já sabiam que era preciso falar baixo. Observavam as pessoas que não conheciam lendo, estudando, escrevendo. A Neide, bibliotecária responsável por nos receber, o fez com muito carinho. Contou-nos a história desta biblioteca e todos os procedimentos necessários para sermos usuários daquele espaço. O número amplo de livros e gibis do acervo deixou as crianças encantadas! Por fim, a compreensão de que aquele espaço e aqueles livros são de todos que desejassem e que estivessem dispostos a frequentar aquele espaço, a cuidar da conservação do acervo.

Descobriram livros para crianças, adultos, cegos; sobre assuntos que nem supunham existir. Também tiveram a oportunidade de conhecer objetos antigos, como um ferro de passar e uma máquina de costura, por exemplo, expostos naquele espaço, e receberam folhetos da programação e dos eventos que lá aconteceriam, como as rodas de história.

Para finalizar, exemplo de falas feitas pelas crianças:

“E o que o Álvaro Guerra fazia aqui?”

“O que é um livro de adulto?”

“Todos podem entrar, mas cachorros não podem!”

“Aqui tem livros de coisas antigas?”

Depois disso, só mesmo um delicioso lanche consumido no jardim da biblioteca. E muitas fotos para registrar estes momentos gostosos!

Agora a Neide aguarda a visita de vocês e das novas turmas de G3, em 2012.

Hora do parque: futebol, cabra-cega, bafo e… Biblioteca!

Por Fernanda Passamai Perez – Auxiliar da Biblioteca Tatiana Belinky

Na hora do parque tem espaço para tudo, inclusive visita à biblioteca. Alunos, principalmente dos 2ºs aos 4ºs anos, têm buscado este espaço para leitura, assim como brincar brincadeiras infantis. Apesar do aspecto lúdico da leitura, neste caso, existem outros motivos que estimulam estas visitas espontâneas e autônomas. Nossas ações promotoras para a formação do leitor são planejadas de modo a encaminhá-lo para a leitura de deleite, na direção do prazer. E quer lugar melhor para alimentar este prazer que a biblioteca? Prazer este que estimula o vínculo do leitor com a arte literária. Acolhemos a todos, procurando atender os desejos destes leitores sedentos por beber no Mar de Histórias, por viver aventuras e buscar informações (muitos pais devem ter ouvido falar do livro TUBARÕES E OUTRAS CRIATURAS AQUÁTICAS). Durante as visitas as estantes são exploradas constantemente em busca do desconhecido. Gibi, jornal, livro-brinquedo, narrativas, poesia, produção dos próprios alunos… individual ou coletivamente, vale qualquer tipo de leitura. A troca entre os leitores, seus pares e conosco, mediadores, enriquece o percurso leitor de cada um deles, “brincando”. Por isso, temos o cuidado em manter o acervo organizado e qualificado. Entretanto, este resultado não acontece rapidamente, esta relação com os alunos vem sendo lapidada ao longo dos encontros, seja nas rodas de biblioteca ou no “corpo a corpo”. Há alguns anos trabalhando na Biblioteca Tatiana Belinky posso afirmar que é um privilégio trabalhar nesta posição que nos permite atuar na formação do aluno, ajudando a tornar-se um leitor competente capaz de desfrutar dos prazeres da leitura literária, hoje e na vida adulta.