Música na extensão curricular: Criando novos espaços de relação na escola

Aula de Violão Still 1

-

Por Vicente Domingues Régis

Para contar sobre os cursos de extensão com enfoque em música, que são oferecidos pelo setor cultural na Escola da Vila, escolhi um recorte bem especial: a ampla gama de relações que vejo brotar durante essas aulas, dia após dia.

Antes de descrever especificamente as aulas e os cursos, gostaria de falar um pouco sobre música. Música é o lugar do encontro, é o lugar da relação, da interação. Ritmo, melodia, harmonia, som, dança, afeto, brincadeira, tudo isso se mistura na prática musical de forma a criar um novo espaço de relação para as pessoas em suas mais diversas possibilidades de existência e condição. Por isso, existe tanta música em eventos que reúnem muitas pessoas: festas, brincadeiras, celebrações, rituais religiosos, eventos esportivos e até momentos tristes como enterros e funerais. A música tem o poder de criar uma sensação de coletividade: a música reúne, a música altera nossa consciência e nos envolve em uma nova atmosfera de som, sentimentos e transformação.

Fazer música junto significa entrar em relação de uma forma muito especial. Quem já teve experiências concretas tocando ou cantando com outras pessoas sabe da intimidade que pode brotar desse momento, da forma rápida como os músicos entram em sintonia entre si, se entendem, se compreendem.

Em 2011, o setor cultural passou a oferecer cursos de extensão com o propósito de complementar a formação artística dos nossos alunos. Para a área de música optamos pela criação de três modalidades de curso que contemplam muitos dos aspectos inerentes a esta linguagem, bem como o aspecto coletivo do fazer musical: Criação Musical, Grupo de Violão e Grupo de Guitarra. Desde então, temos criado grupos multietários, que agregam alunos de turmas e séries diferentes. E observamos como muitos alunos aproveitam a oportunidade de buscar novas relações, novos espaços, novos jeitos de participar.

Os grupos de Criação Musical agregam crianças de 1o, 2o, e 3o anos do Fundamental 1. Trabalhamos de forma a ampliar o repertório de canções e de escuta dos alunos, apresentando compositores tais como: Tom Jobim, Raul Seixas e Adoniran Barbosa, dentre as várias possibilidades que aparecem e são trazidas pelos próprios alunos. Eles aprendem a tocar nos xilofones, nos metalofones e nas escaletas as melodias de canções simples: Minha Canção, de Chico Buarque, Águas de Março, Garota de Ipanema, do Tom, e ainda Love Me Do e Yellow Submarine, dos Beatles, abordando ritmos nos demais instrumentos de percussão.

É importante mencionar que o trabalho com esse grupo dispõe de bastante espaço para atividades de criação como sonorização de histórias, composição de trilhas sonoras e jogos de improviso. No vídeo abaixo é possível conferir a história que foi desenhada, criada e sonorizada por uma das turmas desse curso no ano passado.

Os cursos de violão são oferecidos a partir do 3o ano do Fundamental 1 e se estendem até o 9o ano do Fundamental 2. No F1, os grupos são formados por alunos de 3o, 4o, e 5o anos, e no F2 do 6o ao 9o anos. Trabalhamos com uma série de canções, solos e linhas de baixo, contemplando compositores variados, de Beethoven a AC/DC, passando por John Williams, Luiz Gonzaga e Edu Lobo, dentre outros. Tudo isso buscando, também, dar espaço para que os alunos criem e tragam seu repertório para a aula, de forma a construir com o grupo um repertório comum. O Grupo de Guitarra tem uma proposta muito semelhante, entretanto, o repertório fica mais restrito a clássicos do Blues, Rock e do Jazz.

É interessante observar que o tamanho reduzido dos grupos, que contam com no máximo oito alunos, abre mais espaço para a expressão individual de cada um, bem como para novas configurações de relações e amizade, que muitas vezes brotam nessas turmas. Portanto, além de complementar a formação individual dos alunos no que se refere a aprender a cantar, tocar um instrumento ou escutar música de forma mais apurada, enxergamos as aulas de música da extensão curricular como a possibilidade de criação de um novo espaço de relação para os nossos alunos, nos quais o diálogo, a convivência e o protagonismo são fundamentais.

Apresentação de música: equilíbrio entre espontaneidade e atenção

10448397_949492461745685_419890153827415598_o

-

Por Vicente Domingues Régis

A apresentação de música da Educação Infantil é um evento bastante esperado pelas famílias, pelas crianças e pelos professores da escola. É um momento de encontro permeado de afeto, sensação, escuta e emoção e sua condução é uma responsabilidade que nos coloca diante de duas balizas um tanto antagônicas: se, de um lado, é preciso ser permeável o suficiente para permitir a espontaneidade das crianças, de outro, é imprescindível estar atento para antecipar condutas e situações que podem deixar os pequenos em situações constrangedoras no início de sua formação em relação às figuras mais importantes desse processo de crescimento: sua família e seus professores.

Toda performance realizada em qualquer palco é permeada por esse mesmo dilema. Tocar, cantar, dançar ou mesmo interpretar um papel são ações que demandam equilibrar espontaneidade e atenção, consistindo em caminhar com elegância sobre o fio que pode ou não conduzir a plateia a uma experiência estética transformadora, sem deixar que a tarefa seja tão pesada que nos faça perder a graça, nem tão leve que nos faça esquecer do fio.

Em 2006, na primeira apresentação de música de que participei na escola, não me esqueço de um aluno do G1 que, após os aplausos, depois da música Fui no Itororó, declarou para todo mundo ouvir:

- Vicente, eu não consegui falar Itororó, mas o resto eu cantei direitinho.

O que se seguiu foi um abraço apertado e mais uma salva de palmas da plateia que, acredito, tenha percebido que, nos seus três anos de idade, esse aluno estava construindo seus critérios daquilo que seria uma boa performance na apresentação, e, ao mesmo tempo, se sentiu confortável e acolhido para contar a todos que tinha cumprido grande parte desses critérios. Acredito que o equilíbrio a ser atingido pelo grupo de crianças tão pequenas que se apresentam reside neste âmbito: ao mesmo tempo que começam a construir a consciência do que é uma boa apresentação, se sentem tranquilas caso algo não aconteça tão bem quanto havíamos combinado.

Considero que conseguimos atingir esse equilíbrio com as crianças em grande parte da nossa apresentação. Foi bonito perceber como sabiam o que estavam fazendo, como estavam atentas, mas ao mesmo tempo como estavam leves e felizes. Parabenizo o professor Pedro Bruschi pela condução de suas turmas e agradeço o acompanhamento sensível de Ricardo Pesce, nosso acordeonista. Não posso terminar este texto sem mencionar a parceria fundamental das professoras e dos professores de sala, que tanto fizeram para que a apresentação acontecesse da forma como foi. Lembro, ainda, que este foi o primeiro ano em que tivemos o belíssimo painel produzido pelas crianças, num projeto inspirado em imagens de música realizadas em sala de aula. Pelo visto, veio para ficar. Confiram as fotos da apresentação no Flickr.

G1A      G1B      G1C     G1D

G2A       G2B       G2C 

G3A       G3 B e C       G3 D e E

One, two, three, gravando!!!

Por Vicente Régis – Coordenação do Setor Cultural

Dando continuidade ao processo de buscar relações entre a música e outras áreas do conhecimento em projetos curriculares, inauguramos este ano um projeto de gravação das canções das aulas de inglês dos primeiros anos do Fundamental 1.

As canções foram todas ensinadas nas aulas de inglês durante o ano, pelas “teachers” Juliana Machado Lima, Gabriela Galindo e Larissa Nunes, que aproveitaram a situação para caprichar ainda mais na pronúncia das palavras e na melodia das canções. 1ºA e 1ºB gravaram Hello Goodbye, Rainbow Song e Goldilocks. Os alunos do 1ºC gravaram Love Me Do, 1,2,3,4,5 Once I Caught a Fish Alive e  If You Are Song. 1ºD e 1ºE gravaram Skidamarink, Ba Ba Black Sheep e You Are My Sunshine.

Um projeto como este é uma oportunidade para aprender a cantar um pouco melhor, aprender um pouco mais sobre a língua inglesa e ainda produzir um registro que pode ser guardado para sempre. Espero que apreciem este material e possam ouvir com as crianças muitas vezes. Um forte abraço.

Clique no nome da música para ouvi-la e na seta ao lado do nome para fazer o download do arquivo

Cantando na Vila!

Por Vicente Domingues

Uma das novidades deste ano nos cursos de extensão curricular da escola é o Grupo Vocal do Fundamental 2. Ministrado por Daisy Fragoso, experiente regente coral e professora de música, este grupo já começou a mostrar a que veio! Em 23 de junho deste ano, fizemos nossa primeira gravação. Os alunos cantam dois medleys, um dos Beatles e outro do Queen. Confira nos links abaixo. Sugiro apenas que coloquem um fone de ouvido ou conecte seu computador em um bom aparelho de som, para ouvir melhor as belas vozes dos nossos alunos. Aproveito para lembrar que estamos preparando uma bela apresentação para os pais e convidados dos alunos no auditório da escola, no final do ano. Seguem as gravações. Bom proveito!

Beatles

Queen

100 vozes para 100 anos de Luiz Gonzaga.

a

Por Vicente Domingues Regis

Em 1912, nascia, em um pequeno povoado do interior do Pernambuco, Luiz Gonzaga do Nascimento, um dos mais importantes nomes da Música Popular Brasileira. Lua, um de seus muitos apelidos, ficou conhecido por sua sanfona arretada, suas vestes de vaqueiro do sertão nordestino e seu chapéu de Lampião; além de suas composições, que encantaram o Brasil e continuam mostrando sua força.

Como, neste ano, Gonzagão faria cem anos de pura música e alegria, faremos um grande coral com todos os quintos anos da escola. São mais de cem vozes cantando em homenagem a este centenário. Os alunos vêm se preparando para este momento de diversas formas, ensaiando com as professoras de sala, comigo e em outros momentos curiosos. Algumas crianças pediram para deixar as músicas tocando nas salas de aula na hora do parque, para ficarem cantando e inventando coreografias; outras trouxeram informações de casa sobre este compositor. Fizemos, também, pequenas e belas apresentações dentro da escola, para a Educação Infantil e para as outras classes do Fundamental 1.

O processo até aqui foi muito bonito! Dá muito gosto ver os meninos cantando juntos, felizes, se divertindo. É importante lembrar que este é um dos projetos de música introduzidos no currículo do Fundamental 1, bem como o projeto de Esculturas Sonoras nos quartos anos, que aconteceu no mês de abril. Esta é a forma que encontramos para aumentar a presença da música no currículo, além do oferecimento dos cursos de extensão. Novos projetos serão criados nos próximos anos, mas este eu acho que veio para ficar. Viva Santo Antônio! Viva São João! E viva Gonzagão!

Novidade nas aulas de música da Educação Infantil.

-

Por Vicente Régis, com colaboração de Pedro Bruschi

Assim como acontece em todos os outros campos de trabalho, as parcerias entre professores na escola podem contribuir intensamente para a formação das crianças e para a organização do trabalho. É no diálogo constante entre os diferentes profissionais que uma escola constrói e desenvolve sua proposta pedagógica.

Este ano, a equipe da Educação Infantil da Escola da Vila conta com mais um integrante: Pedro Bruschi, educador e violonista, novo professor das turmas do período vespertino da unidade Butantã. Pedro já estava conosco desde o ano passado, acompanhando as turmas dos cursos de extensão curricular oferecidos no Fundamental 1 e tocando na Apresentação de Música da Educação Infantil.

Pedro tem experiência como educador em creches e escolas. Sua prática musical se volta principalmente para a música brasileira, tocando choro com o Grupo João de Barro, e também outros gêneros, como frevo e baião, em um trabalho de múltiplas linguagens artísticas, no grupo Entremares. Realiza também atividades em outras áreas, como a elaboração de trilhas sonoras em produções cinematográficas e recentemente, acaba de colaborar com a produção do livro “Folia de Reis, Imagens, Receitas e Ladainhas – Aiuruoca -MG”, projeto aprovado na Lei Rouanet.

É um grande privilégio ter um parceiro como este, espero que esta parceria dure muitos anos e possa continuar contribuindo para o trabalho de música que vem sendo desenvolvido na escola.

Sobre a Apresentação de Música na Educação Infantil

Veja mais fotos da apresentação no flickr.

 

Por Vicente Régis – professor de música e coordenador do setor cultural

Que maravilha foi cantar, dançar e tocar com os alunos da Educação Infantil na apresentação de Música. Vê-los assim, tão pequenos, sabendo todas aquelas músicas de cor, tocando seus instrumentos e superando os muitos desafios colocados pelos números apresentados nos enche de orgulho e com certeza nos faz refletir sobre muitos aspectos de nossas vidas. Dentre estes, gostaria de destacar que a apresentação de música da educação infantil é, na minha opinião, uma espécie de ritual.

Afirmo isso pois uma das principais funções dos rituais é marcar os ciclos que regem a vida em sociedade com vivências que carregam de sentido nossa experiência.  Explico: sinto que esta apresentação ajuda a assinalar para os pequenos que cumpriram uma pequena etapa da vida, que passaram por um certo caminho que indica crescimento. Por isso se vestem de forma diferente, por isso fazem performances frente ao grupo de pais, por isso dançam, cantam e tocam já como crianças de três, quatro, cinco e seis anos. Por esta mesma razão, os números de Grupo 3 são mais difíceis, com músicas em língua estrangeira e claros desafios nos xilofones e metalofones.

A emoção que se reflete nas expressões da plateia e o contentamento demonstrado pelas crianças são os indicativos que me levam a acreditar que esta apresentação, além de dar notícias às famílias sobre o trabalho de música desenvolvido na Educação Infantil, também simboliza a conclusão e portanto o recomeço dos ciclos que compõem o crescimento dos nossos alunos. Que delícia poder participar deste belo momento.

Trabalhando com música no Seminário Itinerante.

Por Vicente Régis, coordenador das ações culturais, professor de música e formador de professores

Uma das modalidades de evento oferecidas pelo Centro de Formação da Escola da Vila são os Seminários Itinerantes. Neste formato, nós, professores formadores, visitamos diversos locais do nosso país para discutir questões referentes à educação e ao universo escolar. No último sábado, dia 24 de setembro de 2011, fomos a Mococa, uma simpática cidade na divisa entre os estados de São Paulo e Minas Gerais, para realizar cursos nas áreas de arte, matemática, língua, coordenação pedagógica e música. Fomos gentilmente acolhidos pela Escola Nova de Mococa, local onde os cursos aconteceram.

No curso de música fizemos algumas atividades que enfocam diferentes formas de aprendizado e criação musical. Dentre elas, foi proposta a gravação de um disco no período da manhã. Com um computador e um microfone, gravamos algumas das canções e brincadeiras que costumamos trabalhar aqui na aula de música da Vila, somadas a canções que os próprios participantes do curso trouxeram e nos ensinaram. Finalizamos o disco até a hora do almoço, quando a equipe de informática da escola fez uma cópia do CD para cada participante do curso.

Fizemos, também, uma série de brincadeiras cantadas, discutimos sobre a importância do ensino de música, brincamos com instrumentos musicais, construímos uma escultura sonora, e ainda gravamos uma trilha sonora para um antigo desenho de Walt Disney.

Trabalhar com música neste formato de curso tem sido uma delícia. Visitar diferentes regiões do Brasil e poder levar um pouco da música que trabalhamos aqui na Vila e ainda aprender diferentes canções e brincadeiras com outros professores é um privilégio. Desta vez, voltei especialmente encantado com a música Linda vaca Salomé, ensinada pela Cleria Lucia Desinde, uma das participantes do curso:

Na minha fazenda tem um boi,
Esse boi se chama Barnabé.
Sabe, moço, ele anda se babando,
Pela minha linda vaca Salomé.

Confiram a seguir algumas das gravações que realizamos, além da nossa trilha sonora e algumas fotos desse dia.

A linda vaca Salomé

A maré encheu

Galinho

O site do setor cultural da Escola da Vila.

Aluna produzindo uma peça de vestuário no laboratório de moda, sob orientação da professora Marina Pontieri

Por Luisa Furman e Vicente Domingues Régis –  Coordenação do Setor Cultural

A cultura, e suas diversas manifestações, sempre ocupou lugar  central na proposta pedagógica da Escola da Vila, seja em seus componentes curriculares mais tradicionais ou em seus projetos mais inovadores. Ocupa lugar de destaque em trabalhos de campo, nas atividades fora da escola, nos eventos propostos para  comunidade.

Para fortalecer ainda mais esta característica, este ano, o setor cultural da Vila passou por uma reorganização e estabeleceu programação variada com ações que ora apoiaram a exploração de temas  curriculares, ora debateram acontecimentos  em destaque nas mídias, com convidados especialistas, como por exemplo,  mesa redonda sobre a tragédia no Japão e palestras sobre as revoltas no Oriente Médio.  Apoiou iniciativas dos alunos como  o Cineclube da Vila, e a Vilada Cultural que está ainda por acontecer.

Uma outra iniciativa importante deste novo Setor Cultural foi o lançamento dos cursos extra curriculares que foram oferecidos  com a inteção de complementar a formação de nossos alunos e dar a eles a oportunidade de explorar linguagens e processos que nem sempre têm lugar na sala de aula.

No primeiro semestre inauguramos os cursos de música – criação musical e repertório, e grupos de violão –  história em quadrinhos, ilustração e laboratório de moda. No segundo semestre oferecemos mais um curso, o de animação digital para Fundamental 2.   Para  2012, os cursos serão ampliados e seus horários divulgados no final deste ano, facilitando a escolha das famílias.

Os cursos foram recebidos com grande receptividade pela nossa comunidade, mas sentimos falta de uma comunicação direta com as famílias. Para tanto, criamos um espaço para estreitar o diálogo e levar até vocês os acontecimentos e novidades através desse ambiente virtual.  Vocês podem conferir as realizações do setor cultural clicando aqui.