Porque literatura não rima com censura

Escola da Vila

Por Sandra Medrano*

O tema censura nos livros para as crianças tem feito parte de muitas discussões e reflexões nestes últimos tempos. Para abordar a relação literatura e censura, podemos recorrer a Antonio Candido, que escreveu em 1988 um texto que reforça o direito ao acesso a esse bem cultural:

Ninguém pode passar vinte e quatro horas sem mergulhar no universo da ficção e da poesia, a literatura concebida no sentido amplo parece corresponder a uma necessidade universal, que precisa ser satisfeita e cuja satisfação constitui um direito. (…) A literatura é o sonho acordado das civilizações. Portanto, assim como talvez não haja equilíbrio psíquico sem o sonho durante o sono, talvez não haja equilíbrio social sem a literatura. Deste modo, ela é fator indispensável de humanização e, sendo assim, confirma o homem na sua humanidade.

Assim, se a literatura é um direito, relacioná-la à censura – como temos visto nos últimos tempos – parece indicar que estamos violando, de alguma maneira, esse direito.

Há muitas maneiras de abordar a questão da censura e tentar entender suas motivações. Uma delas é analisar pelo viés da relação entre concepção de criança e concepção de livros para crianças.

Ao analisarmos essas concepções, é possível verificar que elas mudaram ao longo do tempo. Se olharmos para a história, podemos fazer um breve percurso, partindo do século XVIII, quando surge o conceito de criança e de infância. Até esse período, as crianças eram consideradas adultos em miniatura e assim tratadas em todos os aspectos. É possível imaginar que antes desse período, os assuntos a que tinham acesso eram os mesmos que circulavam no mundo dos adultos.

Na outra ponta desse caminho, é possível reconhecer uma distinção total da criança do mundo adulto. Muitas vezes, considerada tão diferente como quando é indicado: “homens, mulheres e crianças” – como se fossem totalmente assexuadas durante esse período. Essas concepções de criança e de infância, impactam a literatura, que parte, portanto, de uma não distinção do seu leitor, adulto ou criança, para outra em que se considera a necessidade de resguardar e educar a criança.

Esta última a escritora argentina Graciela Montes chama de “curral da infância”, pois considera uma criança submetida e protegida, tida como um “cristal puro” e uma “rosa imaculada”, a quem o adulto deve proteger para que não se quebre e que floresça. Essa literatura, segundo a autora, não pode incluir a crueldade, nem a morte, nem a sensualidade, nem a vida real, porque se acredita pertencer ao mundo dos adultos e não ao “mundo infantil”. A realidade retratada nos livros é, assim, despojada de tudo que seja denso, matizado, dramático, contraditório, absurdo, doloroso: de tudo que pode brotar dúvidas e questionamentos.

Podemos acompanhar um exemplo dessa relação entre concepção de criança e literatura ao analisarmos as diferentes versões de Chapeuzinho Vermelho. Zohar Shavit, israelense especialista em literatura, apresenta um estudo em que analisa diferentes versões desse conto ao longo da história.

No século XVII, portanto antes da conceitualização da infância, Charles Perrault registrou esse conto, que não tinha como público específico as crianças. Nessa versão, o conto termina com o Lobo devorando a Chapeuzinho. Tem tom muitas vezes irônico e passagem erótica, como quando Chapeuzinho tira sua roupa e se deita na cama com o Lobo.

Já no século XIX, com os Irmãos Grimm e com o conceito de criança e infância já alterado, a literatura infantil ganha contornos educacionais, para ensinar a essa geração os valores e princípios que eram caros à sociedade da época. E na versão desses autores, é garantido um final feliz, em que a avó e Chapeuzinho Vermelho são salvas, e o Lobo é morto.

Nos dias atuais, temos algumas versões do mesmo conto, em que são alterados aspectos como o conteúdo da cesta que Chapeuzinho Vermelho leva para sua avó. O vinho é trocado por leite, frutas e pote de mel ou geleia, porque acredita-se que as crianças não podem ter contato com bebida alcóolica. Em alguns livros, o Lobo não devora a avó – pois a morte não deve ser assunto de criança, submetida ao “curral da infância”. Ele a coloca no armário e não é morto; sai correndo quando o caçador chega.

Essas diferentes versões mostram como a relação pode ser muito direta, entre a concepção de criança e o que se oferece para sua leitura, chegando a ser identificada como forma de censura, se consideramos, como aponta Graciela Montes, a censura como um mecanismo ideológico de revelação/ocultamento que serve para o adulto domesticar e submeter (ou colonizar) as crianças. Parece muito forte essa ideia, mas corrobora com ela a fala de um escritor peruano chamado Santiago Roncagliolo, que, em entrevista em 2016, disse:

Agora, quando escrevo livros para crianças, não me deixam colocar os maus! Nem bruxas, nem ogros, nem monstros… A culpa é do afã da sociedade por criar uma bolha para os filhos às custas de obrigar os escritores a criar literatura sonsa. E o que ocorre é que o mau desta literatura ‘sonsa’ não é a crítica que recebemos. O mau é que cria leitores sonsos, crianças sem nervos nem reflexos morais.

Infelizmente, essa restrição não é exclusividade do Peru. É também vivida aqui e em outros lugares do mundo. Nesse contexto de censura, restrição ou redução, um aspecto merece especial atenção no Brasil, pois se relaciona ao momento atual de uma importante política pública de ensino da leitura e da literatura na escola: a Base Nacional Comum Curricular (BNCC), ** produzida pelo Ministério da Educação, com o objetivo de se tornar um documento orientador dos currículos estaduais e municipais, de redes públicas e privadas, definindo os direitos de aprendizagem dos alunos da Educação Infantil e do Ensino Fundamental.

A BNCC teve sua primeira versão publicada em setembro de 2015, depois foi produzida uma segunda versão, divulgada em maio de 2016. A terceira versão, finalizada em abril de 2017, encontra-se no momento no Conselho Nacional de Educação, que deve apresentar seu parecer em dezembro deste ano. Essa versão traz aspectos que precisam ser analisados criticamente, pois impactam diretamente na formação leitora das crianças e no acesso ou nas restrições a que serão submetidas.

Especificamente em relação ao Ensino Fundamental I – 1o ao 5o ano – há uma indicação da separação do ensino da literatura no eixo que denominaram “educação literária”. Tal separação merece atenção, pois pode, ao contrário de garantir um espaço exclusivo e portanto positivo, remeter ao que já vivenciamos quando foi instituída a “Educação Artística” nas escolas, em que as Artes não era objeto de conhecimento. Merece atenção redobrada algumas passagens do documento, em que se afirma:

Nesse eixo [educação literária], e também no eixo Leitura, a escolha dos textos para leitura pelos alunos deve ser criteriosa, para não expô-los a mensagens impróprias ao seu entendimento, consoante determinam os Artigos 78 e 79 do Estatuto da Criança e do Adolescente (Lei no 8.069/1990).

Essa indicação parece se preocupar e cuidar do que será oferecido às crianças, mas o trecho “mensagens impróprias para seu entendimento” chama a atenção. Tanto pela subjetividade a que pode remeter a palavra “imprópria” quanto pela definição do que será considerado possível de ser compreendido pela criança (a concepção de criança). Além disso, causa estranheza quando vamos aos conteúdos dos artigos citados:

Art. 78. As revistas e publicações contendo material impróprio ou inadequado a crianças e adolescentes deverão ser comercializadas em embalagem lacrada, com a advertência de seu conteúdo.

Parágrafo único. As editoras cuidarão para que as capas que contenham mensagens pornográficas ou obscenas sejam protegidas com embalagem opaca.

Art. 79. As revistas e publicações destinadas ao público infantojuvenil não poderão conter ilustrações, fotografias, legendas, crônicas ou anúncios de bebidas alcoólicas, tabaco, armas e munições, e deverão respeitar os valores éticos e sociais da pessoa e da família.

Em tempos de censura como os que estamos vivendo, a forma de abordar esse tema parece ser bastante arriscado.

Considerando o direito à literatura, e a garantia de acesso e não a restrição, outros artigos poderiam dar sustentação para a formação dos jovens, como nos exemplos a seguir:

Art. 54. É dever do Estado assegurar à criança e ao adolescente:

V – acesso aos níveis mais elevados do ensino, da pesquisa e da criação artística, segundo a capacidade de cada um;

Art. 58. No processo educacional respeitar-se-ão os valores culturais, artísticos e históricos próprios do contexto social da criança e do adolescente, garantindo-se a estes a liberdade da criação e o acesso às fontes de cultura.

Ainda em relação ao ensino da leitura, outro aspecto abordado na BNCC preocupa, pois revela uma possível redução em relação aos textos que os estudantes terão acesso ao longo de sua escolaridade que pode impactar na apropriação das culturas do escrito, caso seja aprovada pelo Conselho Nacional de Educação. Para se ter uma visão da abordagem proposta, a tabela abaixo sintetiza os critérios indicados para seleção e oferta de textos aos alunos nos anos iniciais do ensino fundamental:

A definição de tamanho dos textos – que começam no 1o ano com 200 palavras até chegar ao 5 o ano com 600 palavras – e o nível de textualidade que indicam ser adequados ao longo da escolaridade parecem apontar para material produzido especificamente para fins educativos, e não para que as crianças se aproximem da leitura como prática social e a literatura como produção artística, da cultura escrita. Essa restrição, além de artificializar a língua, restringe as condições de crianças e jovens a fazer parte desse universo como participantes ativos e críticos e produtores de cultura escrita.

E quem mais perde com isso? Infelizmente, quem mais perderá são as crianças que têm menos acesso à cultura escrita fora da escola, e que provavelmente são, em grande parte, as crianças da escola pública. Para essas crianças, será negada a possibilidade de diminuição da desigualdade de oportunidades que têm, na escola pública, seu principal espaço de garantia. As crianças de famílias com mais acesso a esse tipo de cultura provavelmente terão, por outras vias, possibilidades de apropriar-se de práticas sociais de uso da leitura e da escrita.

Entretanto, se retomarmos as notícias recentes de censura aos livros, é possível verificar que, apesar de as crianças de famílias com maior poder aquisitivo – que se encontram em escolas particulares – terem mais contato com as culturas do escrito possivelmente elas também terão, por outros motivos, privação de acesso à literatura.

Com esse cenário tão limitador para todas crianças brasileiras, justifica-se a necessidade de advogarmos intensamente a favor do acesso à literatura de forma irrestrita. Peter Hunt, especialista em literatura infantil, nos faz lembrar que:

Passamos nossa vida – como nossos filhos passarão – constantemente processando, pesando e equilibrando uma gama fenomenal de conhecimento, percepções e sensações. Não podemos ser simplistas a respeito deles e não esperamos que nossos filhos sejam. Deve ser óbvio que o mesmo aconteça em nossas abordagens dos livros para crianças e na relação com eles.

É preciso confiar na capacidade intelectual das crianças, na capacidade de lidarem com as informações e construírem conhecimentos e, principalmente, de lidarem com a literatura. E só com acesso e espaço para a discussão que podemos formar pessoas que pensem, que criem e que, principalmente, façam o mundo progredir. E um dos espaços para fazer isso acontecer é a escola.


Bibliografia de referência:

Antonio Candido, O direito à literatura. Em: Vários Escritos. Rio de Janeiro: Ouro Sobre Azul, 5a ed, 2001

Graciela Montes, El curral de la infancia. México: Fondo de Cultura Económica, 2001.

Peter Hunt, Crítica, teoria e literatura infantil. São Paulo: Cosac Naify, 2010.

*Sandra Medrano, mãe da Vila, pedagoga, mestra em Didática pela Universidade de São Paulo e especialista em literatura infantil e juvenil pela Universidade Autônoma de Barcelona. Atualmente é coordenadora pedagógica da área de Língua da Comunidade Educativa Cedac e membro da equipe editorial do Instituto Emília/Revista Emília. Seu artigo foi originalmente publicado no Blog das Letrinhas, da Companhia das Letras.

** Os dados referentes à BNCC estavam relacionados à versão em vigor na época da publicação do texto no Blog da Letrinhas. A versão final em vigor não manteve os aspectos destacados.

O Funeral de Okjökull

Por Mateus Moreira e Pablo Candiani, educadores de biologia e ciências naturais na Escola da Vila

Texto desenvolvido com base no Seminário Educação para Sustentabilidade.

A Islândia está promovendo um funeral inédito, o de Okjökull. OK, como era carinhosamente chamada, é a primeira geleira a morrer e a ganhar um funeral naquele país. Triste e preocupante! Mais preocupados ainda ficamos, ou deveríamos ficar, quando lemos a placa que está sendo instalada na rocha onde ficava a geleira, formando um memorial. Nela vemos a seguinte inscrição:

“Uma carta para o futuro”.

OK, foi a primeira geleira do país a morrer. Estima-se que nos próximos 200 anos todas as outras geleiras islandesas – mais de 400 – tenham o mesmo destino. Com esse monumento, reconhecemos que sabemos o que está acontecendo e o que precisa ser feito. Só você – do futuro – saberá se o fizemos.

A preocupação com as alterações ambientais devido às ações antrópicas em nosso planeta não é recente.

Eugene Odum, renomado biólogo com especialização em Ecologia de Sistemas, já em 1983, iniciava seu livro Basic Ecology, reconhecendo que a Ecologia deixava de ser uma área de estudo exclusiva da Biologia, tornando-se cada vez mais uma disciplina integrada, unindo as ciências naturais e as sociais, com um enorme potencial para aplicação nos assuntos humanos, como chamou, uma vez que as situações do mundo real quase sempre incluem um componente de ciência natural e um componente socioeconômico e político. Dessa maneira, precisamos compreender a natureza complexa do tema se esperamos encontrar soluções duradouras para problemas críticos. Assim, a Ecologia, termo cunhado pelo alemão Ernst Haeckel no século XIX, foi reconfigurando-se ao longo das décadas. Da mesma forma, a Sustentabilidade vem tomando novos contornos diante de uma sociedade que cada vez mais compreende o caráter complexo e interdisciplinar das questões que envolvem o nosso planeta.

Em 1972, em Estocolmo (Suécia), a ONU convocou a Conferência das Nações Unidas sobre o Ambiente Humano, que resultou em um documento com 26 princípios com o objetivo de “inspirar e guiar os povos do mundo para a preservação e a melhoria do ambiente humano”. Esse manifesto estabeleceu as bases para a nova agenda ambiental do Sistema das Nações Unidas. Entre os princípios apresentados, pelo menos 10 estavam diretamente relacionados à preservação do ambiente. Em 2015, após diversos encontros e reformulações do documento, os países tiveram a oportunidade de adotar a nova agenda de desenvolvimento sustentável e chegar a um acordo global sobre a mudança climática, produzindo o documento “Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável”, com 17 objetivos para serem alcançados até 2030, sendo que apenas quatro desses objetivos estão ligados diretamente ao meio natural, evidenciando a importância dos aspectos socioeconômicos na sustentabilidade do nosso planeta, como a erradicação da pobreza, das desigualdades sociais e da fome.

Reconhecendo que há um esforço global em busca de uma sociedade mais sustentável, qual o nosso papel como educadores diante desse panorama?

As práticas educativas ambientalmente sustentáveis apontam para propostas pedagógicas centradas na criticidade dos sujeitos, com vistas à mudança de comportamento e atitudes, ao desenvolvimento da organização social e da participação coletiva. Essa mudança paradigmática implica uma mudança de percepção e de valores, gerando um pensamento complexo, aberto às indeterminações, às mudanças, à diversidade, à possibilidade de construir e reconstruir, em um processo contínuo de novas leituras e interpretações, configurando novas possibilidades de ação (JACOBI, RAUFFLET e ARRUDA, 2011).

Nesse contexto, no primeiro semestre de 2019, foi criado na Escola da Vila o SustentaVila, grupo de discussão sobre o tema, que conta com representantes das três unidades com participação de funcionários da direção, coordenação, orientação, administrativo, professores e alunos, auxiliados por uma consultoria que tem como foco a sustentabilidade. O objetivo é fomentar a discussão e o ensino sobre o tema, recuperar ações já realizadas na Vila e implantar novas, além de consolidar o tema na cultura da Escola a partir de práticas que orientem o trabalho institucional. Inicialmente, foram definidos quatro frentes de atuação: água, energia, resíduos e relações interpessoais.

Com o intuito de tornar esse árduo trabalho perene e ampliar a discussão sobre o tema, as escolas do Grupo Critique realizaram em abril de 2019, em São Paulo, na Escola da Vila e na Escola Viva, o 1º Seminário Educação para Sustentabilidade. Desse encontro, foi elaborado um documento com os Princípios Norteadores da Educação para a Sustentabilidade das escolas do grupo.

Dando continuidade às discussões, representantes das escolas se reuniram novamente em junho de 2019 no Rio de Janeiro (na Escola Parque e no Centro Educacional Viva) no programa de residência que há no Grupo Critique. Os participantes tiveram a oportunidade de conhecer o que já é realizado nessas instituições de ensino, compreender o processo de criar e recriar projetos, aprender com a experiência de outras escolas e ampliar a visão sobre os desafios inerentes ao trabalho com sustentabilidade.

Há muito por fazer para consolidar a educação em sustentabilidade, e fica claro que a escola é um espaço privilegiado para tal. O ambiente escolar é um local propício para promover o debate, construir e compartilhar ações. Também é essencial a boa formação dos profissionais e a mobilização de toda a comunidade escolar. Repensar os currículos e tratar o tema de forma integrada, transversal e interdisciplinar é imprescindível, já que a sustentabilidade se caracteriza por incorporar as dimensões socioeconômica, política, cultural e histórica, não podendo se basear em pautas rígidas e de aplicação universal, e deve considerar as condições e estágios de cada país, região e comunidade, sob uma perspectiva histórica.

Mudar comportamentos e criar uma cultura de sustentabilidade na qual as pessoas de uma escola ou da sociedade estejam engajadas não é simples. De quantos funerais ainda queremos participar? A quais outros iremos assistir? Das florestas tropicais? Das geleiras e do gelo das regiões polares? Das cidades litorâneas? Da ciência de qualidade? Do pensamento crítico? É fundamental que as instituições de ensino zelem pela educação para a sustentabilidade com seriedade e comprometimento.


Referências Bibliográficas

Jacobi, P. R., Raufflet, E., & Arruda, M. P. (2011). Educação para a sustentabilidade nos cursos de Administração: reflexão sobre paradigmas e práticas. Revista de Administração Mackenzie, 12(3), 21-50.

Patricia Sadovsky e o ensino da matemática na escola

Por Fernanda Flores, direção pedagógica

Dando continuidade à divulgação de algumas contribuições vindas das várias ações formativas realizadas com nossa equipe de professores este semestre, recebemos a professora Patricia Sadovsky, doutora em Didática da Matemática pela Universidade de Buenos Aires, para aprofundamento em questões do ensino e da aprendizagem da Matemática em nossa escola. Aproveitamos a oportunidade para entrevistá-la sobre questões que as famílias costumam ter acerca da área.

Apresentamos, em forma de perguntas e respostas, preocupações recorrentes que tocam em pontos como a importância da matemática para a formação mais ampla dos estudantes, o enfrentamento de dificuldades inerentes ao processo de aprendizagem e a questão da tecnologia relacionada a esse campo de conhecimento.

a. Qual é a importância da aprendizagem da matemática, no momento atual, para quem vai seguir uma carreira que não esteja muito vinculada a essa disciplina?

Bom, nós pensamos que a matemática contribui com formas específicas de pensar e produzir conhecimento que estão instaladas na cultura, ainda que muitas vezes estejam ocultas, nos parece muito importante que todos os alunos e alunas, mais além de suas opções futuras, tenham oportunidade de tomar contato com essas formas de pensar. Nesse sentido, o trabalho em matemática não é um trabalho voltado para resultados ou para deter-se especificamente em conceitos isolados, mas sim é um trabalho no qual o assunto do ensino é a atividade matemática ela mesma, é aí que se localiza sua relevância.

b. Quais orientações você daria para as famílias de alunas e alunos que apresentam dificuldade para aprender matemática e se mostram pouco confiantes e desanimados com a disciplina? Devem olhar suas lições e apontar seus erros?

Ter dificuldades não é algo constitutivo dos estudantes, não é algo que faz parte de seu ser, sempre entendemos como um momento e, nesse sentido, apostamos nas trajetórias das alunas e alunos, apostamos em acompanhar suas trajetórias e que possam modificar essa situação de certa distância do trabalho matemático, que se expressa através de dificuldades.

Em princípio, acompanhá-los é valorizar suas ideias, ajudá-los a se envolver e tratar de que expressem o que pensam.

Com relação ao que aparece como erros, sempre preferimos pensá-los como ideias, podem ser ideias errôneas, mas são ideias, e acompanhar as crianças supõe que possam expressar as razões pelas quais colocaram em jogo essas ideias, para que depois possam modificá-las.

c. Como as tecnologias digitais impactaram o ensino da matemática? Como as famílias podem se valer dessas tecnologias para ajudar os filhos a estudar essa disciplina?

Falamos “das tecnologias”, quando na verdade há tecnologias e tecnologias. Na escola e no ensino se constituem sem dúvida como um recurso potencial, no entanto, isso depende de qual sejam as ferramentas que se utilizem e segundo como as utilizemos.

Compreender que a lógica de uso das tecnologias em uma função de ensino e aprendizagem é totalmente distinta da que a que segue no jogo, no entretenimento e no uso cotidiano, essa é uma primeira questão.

Por isso, temos de ajudar os alunos, alunas, crianças e jovens a pôr um ponto ou uma pausa nessa necessidade que coloca a tecnologia de tamanha velocidade, de basear-se unicamente em resultados, sem compreensão de seus funcionamentos internos.

Não sei se diria algo muito específico, mas me parece interessante que as famílias acompanhem crianças e jovens em um uso crítico das tecnologias neste momento, para que possam discernir, que possam separar os usos que são potentes em função de uma construção intelectual, de outros que são legítimos, mas não têm relação alguma com a aprendizagem.

Na próxima semana, dando continuidade a essa série, compartilharemos a conversa de nossos convidados Christian Dunker e Isabelino Siede com a comunidade escolar, no Vila Conversa, aguardem!

Flora Perelman e os desafios da aprendizagem em meios digitais

Por Fernanda Flores

Neste semestre, recebemos pesquisadoras e pesquisadores argentinos que participaram de intensa programação formativa junto de nossa equipe pedagógica. Aproveitando a presença deles na escola, os convidamos a tratar aspectos mais amplos da Educação, com o objetivo de trazer elementos e promover reflexão sobre seus temas de investigação, em um diálogo voltado a famílias, responsáveis e educadores interessados em pensar temas contemporâneos na missão de educar nossas crianças e jovens.

Para começar essa série, divulgamos a entrevista dada por Flora Perelman, doutora em Psicologia e especialista em escrita e alfabetização, que se dedica a investigar como ensinar a ler e produzir em meios digitais.

Seguem os temas abordados:

• Meios digitais, a literatura e o audiovisual.

• Literatura, redes sociais e novos fenômenos.

• Produção textual no computador.

• Compartilhar e conhecer: o papel da família e da escola no uso das tecnologias.

Esperamos que essa divulgação inspire muitas reflexões.

Descobrindo livros e habilidades leitoras

Amanhã, teremos a quinta edição da Vila Literária, celebração da literatura, da poesia, da metáfora e da arte. Momento de viver experiências artísticas que revelam um pouco mais do que somos, de nosso imaginário. Momento de entrar em contato com artistas que fazem do ato de inventar, escrever e contar histórias, recitar poemas ou criar oficinas seu principal caminho no mundo. Momento de celebração da literatura como linguagem que nos constrói, nos diverte, nos emociona e nos informa.

No espírito deste evento, convidamos a autora Maria Emília López, que gentilmente e em primeira mão, nos cedeu a publicação de um artigo de seu último livro “Un pájaro de aire. La formación de los bibliotecarios y la lectura en la primera infancia” em que nos convida a pensar sobre as funções da literatura na vida cotidiana e o quanto as mediações feita por leitores experientes na relação com esse mundo da ficção são essenciais à capacidade de imaginar.

Descobrindo livros e habilidades leitoras
Os relatos, o tempo, a escuta

Por María Emilia López

Os seres humanos precisam narrar; construir relatos não somente nos permite alinhavar a história da humanidade e nossa própria história pessoal, como também é a possibilidade de enlaçar a vida que nos acontece com a fantasia. Mas para isso é indispensável uma valoração poderosa da imaginação.

A cultura contemporânea pode nos deixar expostos a certo sofrimento quando falamos da fantasia. Se predomina a oposição entre fantasia e realidade, isso significa que realidade é o que existe e fantasia, o que não existe. Gianni Rodari, que sustentou uma postura crítica ante esta perspectiva em inúmeros textos e experiências criativas com crianças, se pergunta: “Por acaso os sonhos não existem? Os sentimentos não existem, porque não têm corpo? De onde a fantasia tiraria materiais para suas construções se não fosse, como realmente faz, dos dados da experiência, já que os únicos dados que entram na mente são aqueles da experiência?” 1Entretanto, na cultura da educação muitas vezes observamos uma forte ruptura entre o imaginário e a realidade; segundo essa perspectiva, existem conhecimentos mais e menos valiosos em função de sua racionalidade ou da possibilidade de serem comprovados. A literatura, e a arte em geral, podem ficar presas nessa falsa dicotomia, e é aí onde a experiência com os livros se empobrece, quando os relatos construídos graças aos frutos da imaginação acabam submetidos a certa lógica da racionalização ou à mera transmissão de informação, mesmo com crianças muito pequenas e em âmbitos não escolares, como nas bibliotecas.

Qual o papel da imaginação na linguagem cotidiana? O que um mediador faz com o texto literário quando tenta levá-lo ao terreno da explicação? O que as crianças recebem da linguagem quando os livros que colocamos à sua disposição são atravessados por imperativos escolarizados, que implicam “tirar o máximo proveito deles” em função de outros aproveitamentos, teoricamente mais vantajosos e úteis para a vida do que a possibilidade de habitar a ficção, de sentir o comichão não verbal do nosso ser? 

A verdade da ficção, a necessidade de imaginar

Diz Marina Colasanti: “E podemos entender que formar leitores não é sacar leitores de  dentro da manga, não é fabricar leitores a partir do nada, mas dar forma e sentido a um leitor que já existe, embrionário, dentro de cada um. E onde se esconde este embrião de leitor, que tantos se mostram incapazes de ver? Para quem sabe olhar, não se esconde. Está contido, a plena luz, em uma das primeiras necessidades do ser humano, a necessidade de narrações.”2

Pensar nos bebês e crianças pequenas que recebemos nas bibliotecas como leitores implica considerar, em primeiro lugar, essa necessidade narrativa como condição do desdobramento da fantasia e da linguagem e, ao mesmo tempo, constitutiva do desenvolvimento. As intervenções e os modos de aproximação aos livros que propusermos serão fundamentais para potencializar ou ofuscar essas construções.

Os livros como enigmas

Em sua veemente crítica àqueles que fazem da imaginação um bem secundário frente à realidade, Rodari afirma: “Existem dois tipos de crianças que leem: as que leem para a escola, porque ler é seu exercício, seu dever, seu trabalho (agradável ou não, tanto faz); e as que leem para si mesmas, por prazer, para satisfazer uma necessidade de informação (o que são as estrelas, como funcionam as torneiras) ou para pôr a imaginação em ação. Para ‘brincar de’: se sentir um órfão perdido na mata, pirata e aventureiro, índio ou caubói, explorador ou chefe de um bando. Para brincar com as palavras. Para nadar no mar das palavras conforme seus caprichos.” 3

Quando começamos a perguntar aos bibliotecários quanto às suas representações sobre a leitura, de modo geral encontramos olhares mais próximos às crianças que leem por dever, para obter informações úteis, para “exercitar” suas capacidades cognitivas. A leitura pela própria leitura — por curiosidade ou necessidade pessoal, pelo prazer que a literatura produz — não aparece em um lugar muito interessante; de modo geral, é secundária em relação ao ensino ou à incorporação de conhecimentos do mundo real (no caso dos mais novos, por exemplo, as cores, os nomes das coisas, os meios de transporte, as ações da vida fática) ou é vista como um mero entretenimento, de importância duvidosa. Iniciemos, então, o trabalho de despir-nos das concepções herdadas sobre a leitura.

Em geral, observamos que o exercício de dedicar tempo para ler e explorar os livros infantis não surge espontaneamente nos bibliotecários ou educadores. Por esse motivo, a maioria dos livros é desconhecida para eles.

Para atender a essas duas grandes questões — as representações prévias sobre a leitura e a escassa exploração dos acervos —, começo propondo uma grande mesa de livros. Dedicamos várias sessões a ler e pesquisar de que se trata esse material, que questionamentos produz, o que fariam com ele. Lemos individualmente e em pequenos grupos. Cada um no seu ritmo, com todas as interrupções que forem necessárias, com todas as pausas. Destaco a diferença entre “folhear” e “ler”. Muitas vezes os adultos apenas folheiam os livros para as crianças, como se não houvesse a necessidade de se aprofundar, como se os livros não oferecessem territórios de indagação, conflitos, desmesuras para as quais é preciso tomar um bom tempo de leitura.

A partir deste trabalho, são postas sobre a mesa as dificuldades, os julgamentos sobre certos livros e sobre as possibilidades ou limitações dos pequenos leitores, também a magia que produzem alguns livros, a alegria, o prazer e a surpresa de se encontrar com relatos e ilustrações inesperadas e maravilhosas. “Nunca imaginei que os livros de primeira infância fossem me fisgar assim”, diz Luis Ernesto Granados, bibliotecário, enquanto tenta sair — com sucesso relativo — do livro “Pinguim”4, porque estávamos por começar a conversa.

Este treinamento do olhar implica o encontro com outros usos da linguagem, além da informação, que nem sempre forma parte das expectativas dos adultos. Torna-se então necessário compartilhar pontos de vista e às vezes questioná-los, porque muitas vezes esses modos de olhar estão tingidos de preconceitos. Teorizamos sobre os livros, a arte, a literatura, a informação, com os materiais em mãos. Nos perguntamos o que significa imaginar a partir da leitura conjunta de “El trapito feliz” (The Happy Rag) 5, de Tony Ross, ou “Onde vivem os monstros” 6 de Maurice Sendak. Surgem especulações a respeito de até onde as crianças são capazes de interpretar uma imagem; ensaiamos leituras possíveis de “Onde está o bolo?” 7 ou de “Tenho medo”8 o livro do colombiano Ivar da Coll. Estes livros que cito são somente alguns pouquíssimos exemplos dos muitos títulos com os quais construímos problematizações. Essa tarefa implica uma série de relações de pensamento entre todos os participantes, leituras em voz alta, hipóteses, discussões e argumentações sobre cada ponto de vista. Então os modos de ver se expandem e os diversos gêneros e estéticas se transformam em tema de análise.

Sobre a variedade do acervo e seus conflitos

As coleções de livros que formam o material para o trabalho com a primeira infância oferecem uma amplitude interessante: livros de contos, de poemas, trava-línguas e charadas, feitiços, livros com música, livros-discos, livros-álbum, livros-álbum sem palavras (escritas), livros com repertório tradicional, livros de autor, livros informativos, científicos, livros-objeto, livros-jogo, livros para todos os gostos.

Entre os livros que provocam mais estranhamento estão aqueles sem palavras escritas, nos quais a ilustração tem um protagonismo especial; livros que muitas vezes deixam os adultos “mudos”, mas que são interessantíssimos para as crianças. “Chigüiro y el lápiz” (Capivara e o lápis)9 e toda a série Chigüiro, por exemplo, livros nos quais Ivar da Coll dá vida a seu personagem com elementos simples, e a brincadeira, o humor, como ingredientes fundamentais. A leitura desses livros deixa alguns desconcertados, a ausência das palavras parece um poço de águas escuras onde se submerge a potência do que vemos, porque é inegável que as ilustrações proporcionam uma grande quantidade de informações; contudo, para o adulto acostumado a se debruçar sobre as palavras, o relato da imagem não é suficiente. Por outro lado, é como se a palavra trouxesse consigo certa “fidelidade” ao sentido, relativizado diante de uma imagem que deve ser interpretada. Talvez esta dificuldade surja da crença em um sentido fechado dos textos, ou da complexidade de pensar que, com ou sem palavras, com ou sem ilustrações, a imaginação do pequeno leitor tem suas derivas próprias, suas fugas, e nunca será capturada por completo em nenhuma palavra, imagem ou sentido.

Existe uma suposição de que as crianças pequenas só conseguem perceber o que se propõe em imagens figurativas, cores plenas, estéticas realistas. É surpreendente observar, se paramos para fazer um seguimento de suas leituras, a quantidade de elementos que eles descobrem antes do adulto em determinadas ilustrações, ou como relacionam elementos aparentemente desconexos para o olhar do pai, mãe, bibliotecário ou professora. Crianças pequenas são naturalmente surrealistas, têm a capacidade de estabelecer lógicas alternativas a partir da liberdade com que circulam suas imagens mentais e associações.

Os mundos paralelos da leitura

Diz Roland Barthes: “Nunca aconteceu, ao ler um livro, de você ir parando constantemente ao longo da leitura, e não por desinteresse, pelo contrário, por causa de uma grande afluência de ideias, excitações, associações? Resumindo, nunca aconteceu de você ler levantando a cabeça?”10

Que interessante se aplicamos esse pensamento às crianças. E os bebês, quantas vezes será que as ressonâncias desses livros que os bebês leem, ou que lemos para eles, os deixam cheios de ideias simultâneas? Quantas vezes eles levantam a cabeça e não percebemos? Ou haverá modos de perceber? Se estamos em uma relação de intimidade e compromisso para com a criança, é provável que notemos mais claramente seus estados de ânimo, seus pensamentos, mesmo sem palavras capazes de transmiti-los, e partindo desse ponto de vista é mais provável deixar fluir o processo próprio de leitura da criança. Quando a intervenção do adulto é estereotipada ou impõe um ritmo ou uma única forma de ler, provavelmente a criança sente uma rejeição do que pensa, percebe ou rememora quando lê ou quando leem para ela.

No começo é o adulto que passa as páginas do livro, mas rapidamente o bebê passará a exercer esse poder por si mesmo. A leitura em voz alta dos textos que acompanham as imagens, apontar as imagens em conjunto com o que se lê, é parte fundamental do processo leitor, que atribui significado à escrita transmitida pela oralidade em relação à imagem. Essa ação também colabora para a discriminação entre leitura e escrita.

Por isso, ao desenhar um projeto de leitura para crianças pequenas, é indispensável pensar na formação dos mediadores de leitura que vão acompanhá-los, sejam professores, pais, bibliotecários, todos nós que, de algum modo, transmitimos nossos próprios modos de ler, arraigados em nossa experiência pessoal.


Este artigo foi extraído do livro “Un pájaro de aire. La formación de los bibliotecarios y la lectura en la primera infancia”. Buenos Aires: Editorial Lugar, 2018.

Tradução de Patricia Moura e Souza


1 RODARI, G. La imaginación en la literatura infantil. Revista Imaginaria, Buenos Aires, n. 125, mar. 2004.

2 Colasanti, M. Fragatas para terras distantes. Rio de Janeiro: Record, 2004.

3 Ibid.

4 DUNBAR, P. Pinguim. São Paulo: Martins Fontes, 2008.

5 ROSS, T. El trapito feliz. México: Fondo de Cultura Económica, 1999. (A la orilla del viento)

6 SENDAK, M. Onde vivem os monstros. São Paulo: Cosac Naify, 2014.

7 TJONG-KHING, Thé. ¿Dónde está el pastel? (Onde está o bolo?, não publicado no Brasil). México: Castillo, 2007.

8 DA COLL, I. Tenho medo. São Paulo: Iluminuras, 2015.

9 DA COLL, I. Chigüiro viaja en chiva (Capivara viaja de ônibus, não publicado no Brasil). Bogotá: Ediciones Babel, 2012.

10 BARTHES, R. O rumor da língua. São Paulo: Martins Fontes, 2004.

A personalização das aprendizagens é uma necessidade, mas ainda engatinhamos

Por Sonia Barreira, Direção Geral da Escola da Vila

Desde o surgimento das pedagogias ativas no começo do século passado, inaugurou-se no ambiente educacional a preocupação e a busca de colocar o aluno no centro do processo de aprendizagem, valorizando suas atividades mentais e físicas para o sucesso das aprendizagens.

No entanto, ainda que essa premissa tenha sido apropriada pelo discurso educacional, não chegou a produzir concretamente mudanças substantivas no cenário brasileiro. Experiências isoladas e projetos pilotos, influenciados por essa ideia, ofereceram excelentes referências práticas, mas que não foram suficientes para que esse paradigma se tornasse dominante nas escolas brasileiras.

Algumas escolas de vanguarda, grupos educacionais de excelência e projetos de inovação em algumas redes públicas construíram boas práticas, mas a maioria das salas de aula no país seguiram tendo um professor à frente, “falando e explicando” os conteúdos para um grupo de alunos sentados individualmente, anotando ou fazendo exercícios de fixação, padronizados.

Nos anos 70/80, o construtivismo chegou ao Brasil, ainda incipiente, em propostas de escolas alternativas, majoritariamente privadas, ou coletivos de profissionais que estudavam de forma autônoma. Com a publicação da pesquisa de Emília Ferreiro sobre como as crianças aprendem a ler e a escrever, o construtivismo se popularizou. Muitas tentativas foram feitas de levar práticas pedagógicas de base construtivista para as escolas públicas, algumas com sucesso. Os Parâmetros Curriculares Nacionais, por exemplo, publicados no final dos anos 90, e os programas formativos decorrentes deles foram um grande impulso para a mudança de paradigma. Mas as mudanças no cenário político, sejam em redes municipais, sejam no Ministério da Educação, se encarregaram de garantir a descontinuidade dos avanços do partido político anterior.

Assim, para aqueles que assumiram o marco teórico construtivista, a ideia de que as aprendizagens não se dão da mesma maneira para todos os alunos, mas que, antes, dependem diretamente dos conhecimentos prévios dos aprendizes, as consequências foram imediatas: os professores precisavam diversificar suas propostas de ensino para garantir a aprendizagem de todos. A variabilidade didática, as distintas modalidades de aprendizagem, os apoios ajustados são exemplos da concretização dessas preocupações em mecanismos diferenciados de ensino. As palavras-chave desse modelo pedagógico foram naquele momento: atendimento individualizado, respeito ao ritmo de cada aluno, currículo flexível.

Paralelamente, a sociedade de modo geral passou a considerar a necessidade de incluir todos os cidadãos, em diversos campos da vida social. Com o avanço da discussão sobre inclusão, luta de grupos ativistas e novas legislações, as crianças e jovens com algum tipo de deficiência passaram, progressivamente, a serem aceitos e integrados nas escolas regulares. Esse movimento obrigou todos os coletivos de educadores profissionais a se dedicarem a ampliar a oferta de ajudas ajustadas (apoios pedagógicos diferenciados) e a trabalhar aceitando diferentes tempos de aprendizagem (ritmo do aluno), o que demandou melhor preparo profissional para o atendimento à diversidade. Muito embora a equidade ainda não esteja completamente garantida até hoje, esse processo histórico pressionou a transformação de muitas escolas brasileiras, mas até o momento o atendimento a diversidade apenas ganhou espaço no discurso pedagógico.

Processo semelhante de idas e vindas, sem uma mudança real no cenário educativo, viveu a Catalunha, alguns anos à nossa frente. Atualmente, fruto de novos estudos, escolas e educadores catalães deram um passo importante no que se refere ao atendimento às necessidades educacionais de cada aluno e têm considerado fortemente outras variáveis que impactam diretamente nas aprendizagens das crianças e jovens. Essas intervenções têm sido chamadas de personalização das aprendizagens.

Para Cesar Coll, a “personalização das aprendizagens situa-se na tradição das pedagogias centradas no aprendiz pois implica uma continuidade em relação a elas, mas também um salto qualitativo nesta tradição”. Este salto refere-se principalmente em se considerar fortemente as características pessoais, sociais e culturais do aluno, e também seus interesses, objetivos e opções de aprendizagem.  

De acordo com Cesar Coll, as propostas de personalização “partem do reconhecimento e da aceitação da capacidade do aprendiz para tomar decisões sobre seu próprio processo de aprendizagem, incluindo aspectos relacionados ao o que (conteúdos), ao como (atividades, materiais e apoios) e ao quando (sequenciação) aprender”. Em outros termos, a personalização deve garantir aprendizagens que façam sentido e que tenham um valor pessoal para aquele que aprende. Para esse autor, uma aprendizagem com sentido e valor contribui de forma mais ou menos significativa para a construção de sua identidade.

Importante destacar que esse tipo de preocupação surge num contexto em que se considera uma nova ecologia das aprendizagens, isto é, um novo jogo de forças entre os diferentes contextos nos quais se aprende, incluindo o universo digital. A escola deixa de ser o único espaço social no qual acontecem as aprendizagens úteis e relevantes e os demais contextos passam a contribuir de forma indiscutível com trajetórias pessoais, muitas das quais são frutos de escolhas pessoais.

Ora, os currículos escolares padronizados têm cada vez menor espaço para escolhas, e mesmo em experiências pedagógicas mais arrojadas nas quais se trabalha com projetos vinculados a problemas reais, estes últimos são estruturados de maneira a garantir um determinado conjunto de saberes e procedimentos.

Por outro lado, as escolas em busca de inovação e resposta à questão do sentido e da  motivação ampliam o leque de ofertas extracurriculares, disciplinas optativas, como um acréscimo ao currículo regular, sem conseguir dar o salto qualitativo na proposição curricular como um todo.

Entender em que medida os diferentes alunos atribuem valor pessoal a certas opções de aprendizagem não é tarefa fácil, mais complexo ainda seria apoiar a articulação das aprendizagens que ocorrem em distintos contextos da vida de cada um deles. Trata-se de grande desafio para os educadores.

No entanto, com o aumento da desmotivação por parte dos alunos para os processos propostos pelas escolas, pela falta de sentido crescente que os currículos escolares oferecem e pela progressiva vinculação dos alunos com outras atividades, é preciso organizar as ações pedagógicas e educacionais de modo a dar mais voz e escolha aos alunos, apoiar trajetórias individuais e ajudar a articulação das experiências e vivências em contextos distintos. Isso é muito mais do que criar um cardápio de cursos extras.

Nas palavras de Cesar Coll, “a personalização das aprendizagens escolares não é uma opção e sim uma exigência do momento”.

______________________________________________________________________________

Referência Bibliográfica:

Coll, Cesar org. (2018) “La personalizacion del aprendizaje” – Dossier Graó

Pedalar: por que sim?

Prezadas leitoras e leitores,

Destacamos em nosso blog, o texto de Sasha Hart, pai da Vila, entusiasta e “bikeanjo”, que gentilmente aceitou nosso convite de enfatizar o quanto devemos todos nos engajar e aderir a meios de deslocamento ativos e limpos. Com dados muito interessantes, vemos o quanto as bicicletas ganham espaço e importância em nossa cidade.

Contribuindo para essa conscientização, esse sábado teremos nossa esperada Bicicletada dos 7ºs anos, no Parque Villa Lobos! Esperamos que escola e famílias juntas promovam, cada vez mais, a experiência de nos deslocarmos via bike!

Pedalar: por que sim?

Escola da Vila

Por Sasha Hart, hidrogeólogo, pai e Bike Anjo

Bicicleta é coisa de criança, adolescente, adulto e idoso. Todos têm o direito de pedalar, seja para lazer, para melhorar a saúde, como esporte, para fazer entregas ou para sua mobilidade. Na cidade de São Paulo, centenas de milhares de pessoas pedalam diariamente e, seguindo a tendência global, cada vez mais. Por exemplo, a ciclovia da Av. Faria Lima, em poucos anos desde sua instalação, já é uma das mais usadas do mundo[1] [2]. Na Av. Eliseu de Almeida, chama a atenção o fato de que, após a instalação da ciclovia, também cresceu muito a porcentagem de ciclistas crianças e mulheres[3].

Mas… é seguro pedalar em São Paulo? A cidade está desafiadora para todos os tipos de mobilidade, entretanto, é notório que, onde foram instaladas ciclovias ou ciclofaixas, os riscos diminuíram muito (para ciclistas, bem como para pedestres e motoristas). Além dos ciclistas passarem a ter um espaço exclusivo, tipicamente ocorre ali um efeito que os especialistas chamam de Acalmamento de Tráfego (inclusive porque permite um aumento na visibilidade entre pessoas na rua e na calçada). Os dados históricos[4] mostram também que o número de vítimas em todos os modais (menos motociclistas) já apresentava antes uma tendência geral de diminuição (possivelmente relacionado a melhoras na legislação e fiscalização, diminuição de velocidade, entre outros fatores). Outra boa notícia é que a Prefeitura divulgou que pretende até o ano que vem fazer novas ciclovias e ações para melhorar a segurança[5]. Vamos cobrar (inclusive nas iminentes audiências públicas – abertas a todo mundo) para que melhorias ocorram logo, de forma eficiente e também perto de escolas.

Ainda assim, há muito a ser feito (por todos!) para melhorar o trânsito, inclusive sobre o respeito e a educação. Soluções existem[6], mas não pense duas vezes: pedale sempre com capacete e muita atenção, de preferência acompanhado (avalie ficar próximo de outros ciclistas que estejam fazendo o mesmo caminho).

Para quem não sabe pedalar ou tem algum receio, sugiro checar a plataforma Bike Anjo. Ela é uma rede de apoio (gratuita) que foi criada há quase 10 anos em São Paulo. Desde então ela cresceu para 739 cidades (em 34 países) e já ajudou dezenas de milhares de pessoas. Após o cadastro, a plataforma faz a ponte entre quem precisa de ajuda e possíveis voluntários/as (que ensinam a pedalar, fazem companhia no seu percurso, dão recomendações sobre rotas e muito mais). É bem capaz que o, ou a, ciclista more próximo de você.


[1] ecopublic.com

[2] cetsp.com.br

[3]ciclocidade.org.br

[4] cetsp.com.br

[5]vá de bike

[6]bikeelegal.com

“Livros são para sempre”: O Centenário de Tatiana Belinky

Escola da Vila
Tatiana Belinky na biblioteca que leva seu nome, na unidade Butantã.

Por Fernanda de Lima Passamai Perez, mediadora de leitura e assistente de biblioteca

“Por que a criança não gosta de estudar?”
Na hora eu respondi: a criança não quer estudar, ela gosta de aprender. Estudar vem depois. A criança estuda o tempo todo: o ambiente, a vida, o mundo, ela estuda sem saber, mas o que a criança gosta mesmo é de aprender. Livro não é castigo, não é tarefa, não é chateação.
É uma delícia quando você o descobre.
Tatiana Belinky[1]

Há quase seis anos atrás, em 16/6/2013, leitores de todo Brasil se despediam da escritora Tatiana Belinky, que estava com 94 anos à época. Apesar da despedida, suas obras não deixaram e não deixam a melancolia tomar conta de seus leitores. Ao contrário, apesar da aparência frágil no fim da vida, essa senhora de opiniões contundentes e provocativas sempre demonstrou muita paixão pela vida, pelas histórias e não se deixava abater facilmente.

Vinda de São Petersburgo, na Rússia, passando por Riga, na Letônia, Tatiana chegou ao Brasil aos 10 anos. O primeiro texto em português que chegou às suas mãos foi Jeca Tatuzinho, de Monteiro Lobato, autor que conheceu pessoalmente e cujas obras a encantavam, tanto é que, já adulta, em parceria com o marido Júlio Gouveia, roteirizou para a televisão a primeira versão do Sítio do Pica-pau Amarelo, que Lobato não chegou a ver. Ao todo, foram 360 programas, ao vivo![2]

Tatiana, que falava russo, alemão e letão – idiomas aprendidos nos tempos em que morou em Riga, onde as placas de rua traziam informações nos três idiomas – traduziu várias obras escritas originalmente nesses idiomas para o português, como O Caso do Bolinho[3], um conto tradicional bastante conhecido e querido da criançada.

O Limerique[4] também era marca registrada da autora, que adorava brincar com as palavras. Inspirada pelo poeta Edward Lewis, que desenvolveu o Limerique a partir de um estilo de verso típico da cidade de Limerick, na Irlanda, Tatiana trouxe diversos temas para além do universo infantil nesse estilo bem peculiar de poesia, pois para ela “a criança pode ler o que quiser” (2012).

Para nós da Escola da Vila, e principalmente da Biblioteca Tatiana Belinky na unidade Butantã, manter viva a memória de nossa patronesse é fundamental. Diariamente somos inspirados por sua imagem (para quem não sabe, temos uma foto dela ao lado da porta de entrada) e seu legado, buscando desenvolver atividades que divirtam os leitores, mas que também estimulem seu desejo de investigar, de aprender e de compartilhar seus saberes.

Logo, como não poderia deixar de ser, o Centenário de nascimento de Tatiana Belinky tem que ser comemorado! Sim, 100 anos! E mais de 50 anos deles dedicados à literatura, ao teatro e a seus leitores.

Por isso, a partir de hoje, começaremos uma série de homenagens à autora nas três bibliotecas de nossas unidades, por meio da leitura de suas histórias, exposição de seus livros (muitos deles autobiográficos) e um Muralique — sim, ela também inspirou o nome de batismo de nosso mural — com informações e curiosidade sobre a autora.

Aguardamos toda a comunidade da Vila para uma visita!

Morrer é só despedida.
Não vale ficar nervoso.
Porém não curtir a vida,
Não viver… é horroroso![5]


[1] Em Livros são amigos para sempre. Entrevista a Marcos Beltramin. Cidade Nova, mar/2012, n. 3 (p. 23-25) disponível em:

[2]Em TV sem VT e outros momentos Tatiana Belinky descreve como foi produzir programas ao vivo, sem cortes diante de situações inesperadas. Tatiana Belinky. TV sem VT e outros momentos. São Paulo: Paulinas, 1997.

[3]Tatiana Belinky. O Caso do Bolinho. São Paulo: Moderna, 1990.

[4] Segundo a autora, “É uma fórmula de verso com cinco linhas: as duas primeiras formam rima entre si. A terceira e a quarta também rimam entre elas. A última linha rima com as duas primeiras”.

[5]Tatiana Belinky. O segredo é não ter medo; ilustração de Guto Lacaz. São Paulo: Editora 34, 2008.

O pior pesadelo

Escola da Vila

.

Por Fernanda Flores, direção geral

Sempre quando atentados acontecem em escolas, precisamos de um tempo para refletir sobre suas muitas significações.

Este ano temos tido muitas notícias e cenas de grandes tragédias. Cenas de construções e automóveis sendo arrastados pela lama, pelas chuvas na nossa cidade, onde vivemos e onde enfrentamos dias de grandes enchentes. “Temos notícias, desde o início do ano, de muitas perdas. Perdas de toda sorte: de vidas, de bens materiais e imateriais e também da tranquilidade e da segurança.”

Não há palavras para expressar a tristeza e a indignação que a violência representa no caso do tiroteio ocorrido ontem na cidade de Suzano, na escola estadual Raul Brasil, região metropolitana de São Paulo.

Poucos eventos têm tamanho impacto em casa para crianças e famílias como um tiroteio em escola. Quando as crianças assistem a um evento como esse na televisão ou em flashes de notícias na Web, é natural que se preocupem com a própria escola e com a própria segurança, especialmente se a violência ocorreu em uma cidade vizinha.

O impacto nos adultos é imenso, e, sensibilizados, buscamos explicações, queremos entender o que vem acontecendo em nossa sociedade, para que tamanha brutalidade ocorra em espaços institucionalmente organizados para a aprendizagem, o convívio e a formação das novas gerações.

“Como ficam nossas crianças diante de tantas notícias e imagens que mobilizam profundamente os adultos? Os adultos ficam alarmados, abalados, e é compreensível que queiram se inteirar dos acontecimentos, mas é preciso saber em que momento fazê-lo e de que maneira e como lidar com as crianças, que são experts em detectar clima de tensão no ar e ouvir, mesmo que não pareçam atentas, as conversas entre os adultos, os comentários frequentes sobre os eventos. E como se não bastasse isso, elas ainda têm de lidar com os próprios medos, os muitos medos que sentem e que são inerentes ao seu processo de desenvolvimento. De modo que a pergunta que fica é: como podemos salvaguardar a integridade emocional de nossas crianças?

Nestes tempos de grande tensão e tristeza, precisamos, em primeiro lugar, poupá-las de cenas chocantes e dos noticiários em geral. Depois, precisamos permitir que nos façam perguntas, que falem de seus medos, para que possamos tranquilizá-las, transmitir a elas a segurança que necessitam. Cabe a nós, ainda, a tarefa de tentar controlar nossas próprias emoções. E um bom jeito de fazer isso é demonstrando nosso carinho e interesse por elas, dizendo de nossos esforços – nossos e dos demais adultos envolvidos nos cuidados e na educação delas – para protegê-las. Outra atitude importante é ressaltar as ações de solidariedade nos lugares onde tragédias aconteceram e reiterar que sempre haverá gente trabalhando para minimizar a tristeza e o sofrimento das pessoas envolvidas.”

De qualquer forma, alguns sempre chegam à escola contando o que viram e ouviram. Além de ouvi-los, nos preocupamos em acolher e acalmar, dando espaço às manifestações, trazendo a escuta e o diálogo como meio de conforto que permite o seguimento da vida na escola, enquanto os adultos se ocupam em compreender novos fenômenos e como enfrentá-los.

Já para nossos jovens, que frequentemente vivem período de certa instabilidade, insegurança e com as emoções à flor da pele, tragédias como essa provocam grande impacto, mesmo quando não se expressam tão facilmente sobre o assunto. Assim, também se faz necessário contar com adultos interessados e disponíveis para escutar, dando tempo e espaço para que falem e possam contar com a maturidade dos que admiram e convivem para lidar com a incompreensão perante os fatos.

Soma-se ainda, nessa etapa da vida, a necessidade de abordar outras facetas da situação, na dupla perspectiva de formar e informar, garantido espaços com pares, professores e orientação para conversar sobre o impacto da tragédia nas pessoas e a sua perplexidade.

Em tempos nos quais a escola tem sido alvo de muitos questionamentos e desconfianças, entendemos que compete a ela, como organização social e socializadora, se manifestar a respeito desses temas, enfrentar perguntas difíceis e renovar o compromisso na formação ética para o valor à vida, ao respeito mútuo e à solidariedade.


Inspirado no Blog de março de 2011, de Dayse Gonçalves “As crianças e as cenas de TV em tempos de grandes tragédias”.

Por que educar em casa?

Escola da Vila

Por Fernanda Flores, direção geral

Para quem vive a escola como ambiente educacional plural, onde se assume um compromisso ético de promoção de cultura e de acesso ao conhecimento científico, o fenômeno conhecido como “homeschooling“, ou educação domiciliar, traz muitas inquietações, dúvidas e perplexidade perante os dados divulgados na mídia a respeito de tal opção, sobretudo, considerando as razões que têm recebido maior destaque, alheias ao recente julgamento realizado no final do ano de 2018, no qual o STF reiterou que a prática é ilegal em nosso país.

O tema é complexo e permite uma série de abordagens, assim, convidamos nossos leitores e leitoras a conhecerem o artigo de Bruna Werneck Canabrava, publicado no Jornal do Brasil, em 22 de fevereiro, gentilmente cedido pela autora para divulgação em nosso blog. A visão expressa representa o que pensamos sobre esse tema.

Por que educar em casa?

Das 35 metas para os primeiros 100 dias de governo Bolsonaro, quatro dizem respeito à educação, sendo apenas uma estabelecida pelo MEC (referente à alfabetização). A medida que tem recebido mais destaque na mídia e nas redes sociais é aquela estabelecida pelo Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos: a regulamentação do ensino domiciliar, que vem sendo chamado pelo termo em inglês home schooling. Essa pauta já foi objeto de análise pelo Supremo Tribunal Federal, em setembro do ano passado, com decisão contrária. A maioria dos ministros alegou justamente a falta de regulamentação, mas dois deles – Fux e Lewandowski – foram além, numa interpretação que indica a inconstitucionalidade da modalidade educacional.

O ensino domiciliar é uma pauta histórica de grupos religiosos e é publicamente representada pela Associação Nacional de Educação Domiciliar (ANED). Segundo o site da instituição, “a Educação Domiciliar ocorre quando os pais assumem por completo o controle do processo global de educação dos filhos, ou seja, além do ensino de valores, hábitos, costumes e crenças, se responsabilizam também pelo chamado saber acadêmico que, normalmente, ficaria a cargo da escola.” O site afirma ainda que “a ANED não se posiciona contra a escola, mas a favor da prioridade dos pais no direito de escolher o gênero de instrução a ser ministrado aos seus filhos” e descreve como perfil dos pais que optam por educar fora da escola aqueles “que decidem assumir a total responsabilidade por essa formação”. [grifos nossos]

Esse desejo por parte dos pais de controlar a totalidade da experiência educacional de seus filhos é bastante suspeito, a partir de uma concepção de educação em que o contato com diferentes visões de mundo é não apenas desejável, mas essencial para o desenvolvimento da tolerância e para a construção do tecido social. Nessa perspectiva, a escola é um espaço de interface entre o mundo privado da família e da igreja e o mundo público da sociedade como um todo.

Enquanto a ANED levanta a bandeira do direito de escolha dos pais, nossa preocupação é resguardar o direito dos filhos menores de idade. Separamos, então, em três grandes categorias os motivos, segundo a ANED, pelos quais famílias optam pelo ensino domiciliar: (1) melhor qualidade acadêmica; (2) preservação de valores e crenças religiosas; (3) preocupação com a segurança física dos filhos, alegando casos de bullying e acesso a drogas. Fazemos, agora, um convite à reflexão sobre cada um deles à luz da legislação já existente e dados da realidade brasileira.

Quanto à formação acadêmica: se é necessário que os profissionais sejam formados em determinados cursos – regulados e avaliados pelo MEC – para serem contratados como professores numa escola, porque seriam pais mais competentes para desempenhar tal função? Vale lembrar que, segundo o IBGE, apenas 15% da população brasileira tem ensino superior. Já entre professores na ativa, o número é invertido. Apenas 15% não tem, a maioria deles atuando na educação infantil e muitos já estão cursando a graduação.

Quanto à preservação de valores morais e crenças religiosas, isso já é um direito garantido pelo Estatuto da Criança e do Adolescente, em seu artigo 16. Quais seriam os valores e crenças que estariam sendo desrespeitados pelas escolas e que justificariam a subtração dos estudantes desses espaços? Cabe pontuar que por trás de tal discurso, demasiadas vezes reside a perpetuação de preconceitos, que o conjunto da sociedade já decidiu que não devem ser perpetuados, inclusive com tipificação criminal.

O mesmo artigo do ECA garante também o direito à liberdade de opinião e expressão, assim como a de ir e vir e a de buscar refúgio, auxílio e orientação. Esses pontos são importantes para abordarmos a terceira categoria de motivos. Se por um lado, os pais temem pela segurança de seus filhos na escola, por outro, sabe-se que no Brasil, a maior parte das violências sofridas por crianças, sejam elas físicas, psicológicas ou sexuais, se dão no ambiente doméstico. Frequentemente, a escola é o único espaço de contato da criança com adultos que não têm uma relação com os pais e que podem protegê-la e denunciar os maus tratos a autoridades. Além disso, admitindo-se que existem, sim, problemas de drogas e bullying no ambiente escolar, a remoção permanente da possível vítima de forma que ela perca a sua liberdade de frequentar o espaço e convívio com colegas, me parece uma solução ruim e ainda deixa as outras crianças expostas ao mesmo tipo de violência, sem resolver o problema.

Por fim, chama atenção que uma medida que visa favorecer 5 mil famílias (de acordo com o site da ANED) tenha tamanha primazia num país com mais de 40 milhões de crianças precisando ser educadas. Mesmo que ensino domiciliar fosse solução para uma melhor educação conteudista, qual é o risco em termos de saúde física e mental a que vamos expor essas crianças? Que garantias teremos de que sua liberdade e dignidade serão respeitadas? A Constituição Federal, no artigo 205, designa a educação como “direito de todos e dever do Estado e da família”. Não podemos prescindir dessa responsabilidade dupla pelo bem-estar da criança e ambos os responsáveis devem atuar de forma conjunta, não antagônica. Precisamos de políticas universais, que estruturem boas escolas, em condições adequadas para que todos os professores possam ensinar e alunos aprender.


Bruna Werneck Canabrava é servidora da Fundação Cecierj e mestranda em Ciência Política na UFF.