Romper os limites das disciplinas: um grande desafio

Escola da Vila

Por Susane Lancman 

Dois professores na sala de aula, o de História e o de Língua Portuguesa, dão aula conjuntamente. Atentos, 31 alunos do 1o ano C. A fala se intercala entre o professor Guilherme e o professor Silas, um dueto afinado. Alguns questionamentos que permeiam a aula: Qual a relação entre o livro “Minha vida de menina”, de Helena Morley, e as disciplinas? Por que uma atividade interdisciplinar? Como funcionarão as aulas? O que será estudado com a obra literária do ponto de vista da História? E da Língua Portuguesa? Por que romper os limites das disciplinas?

Há uma piada que circula no meio educacional que diz que a única coisa que liga as diferentes salas de aula em uma escola são os canos e os fios elétricos. Não é o nosso caso na Escola da Vila: temos reuniões pedagógicas semanais para, justamente, discutir a unidade entre as salas de aula em relação às questões metodológicas, escolhas curriculares e valores educacionais, na busca insana de relacionar saberes.

O desafio da interdisciplinaridade é grande, afinal, é preciso romper o corpus de conteúdo organizado por disciplinas, algo rígido, construído em décadas de história da educação, em que o conhecimento foi fragmentado, encerrando as disciplinas nelas mesmas.

Romper com a presença de um só professor em sala de aula, em que ele detém todo o saber. Romper, em algumas situações, com a organização do espaço em que os alunos só interagem com o seu grupo/classe.

Mas, esse esforço só tem sentido quando se compreende que a interdisciplinaridade é uma oportunidade concreta para a revisão das relações com o conhecimento, provocando a organização de um ambiente interativo, entrelaçando os saberes e as pessoas, ampliando, na prática, o conceito da construção coletiva.

Nesse processo de troca entre professores, ampliam-se os conhecimentos dos próprios docentes sobre o objeto de ensino e sobre a forma de ensinar. Entretanto, compartilhar de forma sistemática um projeto, ter objetivos comuns, depender do fazer do outro exige muita discussão e comprometimento.

Em relação aos alunos, a interdisciplinaridade permite ampliar o olhar sobre as ciências, conectando conteúdos, possibilitando dar novos significados aos conteúdos e à realidade, relacionando a teoria e o real. Além disso, uma das formas dos alunos desenvolverem a criticidade é terem acesso a situações complexas, que possam ser estudadas por diferentes áreas do conhecimento, superando a fragmentação entre as disciplinas, o que possibilita gerar maior autonomia intelectual.

É bom ressaltar que a integração das disciplinas em si não desenvolve qualquer habilidade, pois depende da forma pela qual o trabalho é didaticamente estruturado. Assim, antes de integrar, é preciso perguntar: por que integrar? O que integrar? Quem integra? Como se faz a integração? O passo seguinte é definir o problema ou o fenômeno que será estudado; determinar os conhecimentos necessários, inclusive as disciplinas, modelos, tradições e bibliografias; desenvolver um marco integrador e as questões a serem pesquisadas; especificar os estudos ou pesquisas concretas que devem ser empreendidos. Por fim, é necessário construir novas organizações do espaço, do tempo e do currículo.

A aula de História e Língua Portuguesa termina com os alunos sentados, em grupo, discutindo o tema que irão focar durante a leitura de “Minha vida de menina”: trabalho, religião, gênero, educação, família e escravidão. Os grupos discutem os temas, votam, negociam-nos com os outros grupos e decidem a “lente” que será usada durante a leitura.

Sem dúvida, ler o livro com o foco nas questões relacionadas à literatura já traria enorme aprendizagem, mas, lê-lo também com a lente da disciplina de História, pode ampliar ainda mais o olhar dos nossos alunos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *