Atividades com as crianças em casa em tempos de coronavírus

Como é bom ter amigos virtuais! Nossa colega argentina Melina Furman nos brindou com esse artigo e gentilmente autorizou sua publicação em nosso blog. Em tempos de coronavírus, podemos experimentar muitas das dicas compartilhadas.  Boa leitura!

Atividades com as crianças em casa em tempos de coronavírus

Por Melina Furman, bióloga da Universidade de Buenos Aires e Dra. em Educação pela Universidade de Columbia, EUA

Artigo publicado no El Baikal em 16/3/2020.

Estamos em tempos de pandemia, que obrigam muitos de nós a ficar em casa porque as aulas estão suspensas, ou porque a família está em quarentena, ou porque decidimos nos “guardar” por alguns dias. É um momento de incerteza, em que a nossa vida cotidiana muda e temos que nos adaptar ao cenário de estarmos todos (inclusive crianças) em casa enquanto esperamos que a onda de contágio passe e, em breve, esperamos, as coisas voltem ao normal.

É aí que surge a pergunta que não quer calar: o que podemos fazer com as crianças em casa? Como aproveitar esse tempo para gerar oportunidades de aprender e compartilhar em família?

Uma ideia que pode nos ajudar a pensar em atividades para fazer com as crianças (especialmente quando não conseguimos pensar em mais nada!) é a das inteligências múltiplas. Nos anos 80, o psicólogo Howard Gardner introduziu um conceito que revolucionou a própria noção de “inteligência”. Ao analisar casos de “gênios” (pessoas com talentos muito exacerbados, como os prodígios musicais, matemáticos ou literários), estudar os efeitos de lesões cerebrais sobre certas capacidades específicas e comparar os registros de desenvolvimento cognitivo de populações em todo o mundo, ele postulou a existência de diferentes tipos de inteligência.

Pensando na educação das crianças, um dos aspectos mais importantes dessa teoria é a possibilidade de conceber a inteligência não como uma “coisa”, mas sim como um repertório, um leque de capacidades que vale a pena nutrir. Assim, Gardner identificou oito inteligências diferentes:

  • Lógico-matemática: é a capacidade de resolver cálculos, problemas abstratos e jogos de estratégia, analisar variáveis, raciocinar de maneira lógica e identificar padrões numéricos;
  • Linguística: implica a capacidade de estabelecer comunicação em diferentes formatos baseado na linguagem verbal: ler, escrever, debater e compreender o que o interlocutor está dizendo;
  • Musical: é a capacidade de interagir com instrumentos ou modos de produzir som em geral e de criar e interpretar música;
  • Cinético-corporal: refere-se à capacidade de usar o próprio corpo para resolver problemas (por exemplo, chutar uma bola em direção ao gol) ou para expressar sentimentos (por exemplo, dançar);
  • Espacial: é a capacidade de entender e pensar sobre o espaço por meio de imagens. Usamos essa inteligência quando nos orientamos ou interpretamos um mapa, quando visualizamos um objeto de diferentes ângulos e quando montamos quebra-cabeças;
  • Naturalista: empregamos esse tipo de inteligência quando observamos a natureza ou os elementos à nossa volta. Gardner especula que esse tipo de inteligência surgiu nos primórdios da humanidade, da necessidade dos caçadores-coletores de identificar padrões e mudanças no ambiente. Trata-se da capacidade de perceber as relações que existem entre várias espécies ou grupos de objetos e pessoas, por meio da identificação de padrões, semelhanças e diferenças, e da elaboração de classificações;
  • Intrapessoal: implica a capacidade de nos conhecermos de maneira profunda, de modo que nos compreendamos e orientemos nosso próprio comportamento. Uma pessoa com alta inteligência intrapessoal tem um modelo de si que lhe permite trabalhar com suas próprias emoções e interagir de maneira positiva com seu entorno. Essa inteligência se relaciona com a capacidade de planejar e alcançar metas relevantes, avaliar pontos fortes e limitações pessoais, controlar os impulsos ou persistir apesar das frustrações; e
  • Interpessoal: envolve a capacidade de ler as emoções dos demais e interagir com outras pessoas de modo produtivo. Está vinculada à habilidade de cooperar com outros, de “colocar-se no lugar do outro”, de interpretar os desejos e as necessidades dos demais e de liderar um grupo.

Muitos especialistas debatem com fervor sobre o número de inteligências diferentes que Gardner identificou. São realmente oito? Existem sobreposições entre elas? Não estamos nos esquecendo de outras inteligências importantes? Existe alguma inteligência mais ampla que se sobrepõe a várias das anteriores?

Quando se trata de encontrar o que fazer com as crianças em casa, e também no meu papel de educadora e de mãe, não faz muita diferença se são oito, onze ou quarenta e três. Neste caso, não estamos trabalhando com a ideia de inteligências sob o ponto de vista da ciência cognitiva. A maior qualidade do conceito de inteligências múltiplas é que ele traz à baila o valor de outros tipos de talentos extremamente relevantes para a vida que sempre foram considerados “menores” sob a perspectiva da tradição acadêmica pura.

A seguir, proponho algumas estratégias para trabalhar as diferentes inteligências em família (que, obviamente, variam de acordo com a idade das crianças), que estão no meu livro “Guía para criar hijos curiosos” (Siglo XXI Editores, ainda sem edição no Brasil). 

  • Lógico-matemática: jogar jogos de mesa que envolvam lógica ou cálculo mental, como dominó, escopa ou xadrez. Medir os objetos da casa de diferentes modos (pesar, medir o comprimento com diversos instrumentos). Resolver desafios matemáticos. Criar e depois decifrar um código secreto. Aprender a programar com plataformas como Scratch Junior ou Lightbot. Fazer cálculos mentais em situações do dia-a-dia (quando pensamos, por exemplo, no que temos e no que nos falta, ou em como repartir o que temos entre várias pessoas). Fazer experimentos para responder perguntas e analisar os resultados;
  • Linguística: inventar histórias curtas entre várias pessoas, como no jogo “cadáver esquisito”. Escrever cartas (ou emails!) para pessoas que vivem longe. Escutar ou ler contos e depois conversar sobre a história. Buscar novas informações na internet ou em livros sobre algo que apareceu na história para continuar explorando o tema. Criar e escrever as instruções de um jogo ou de uma brincadeira. Brincar com letras e palavras em jogos como Scrabble. Escrever uma música, um poema ou um rap sobre algum tema. Escrever as pistas de uma caça ao tesouro para outras pessoas acharem (por exemplo, as crianças escrevem as instruções para os adultos);
  • Musical: inventar músicas, cantar juntos, encontrar os instrumentos “escondidos” em uma música. Gravar-se com o celular cantando e depois escutar. Inventar formas de acompanhar uma música fazendo percussão com o corpo ou com outros objetos. Brincar com ritmos diferentes, tocar um instrumento, criar uma melodia para um poema, musicalizar uma história;
  • Cinético-corporal: dançar, criar coreografias, seguir sequências de movimentos com o corpo. Praticar a motricidade fina com brincadeiras como espetar objetos com palitos. Brincar de mímica;
  • Espacial: construir com blocos ou materiais reciclados. Usar massinha ou argila para esculpir objetos. Representar situações por meio de imagens ou esquemas. Fazer brincadeiras de orientação como “cabra-cega”. Conduzir alguém com os olhos vendados de uma ponta a outra da casa dando-lhe instruções de movimento. Desenhar e ler mapas que levem a um “tesouro” escondido em casa;
  • Naturalista: observar e cuidar de seres vivos (mascotes, plantas). Registrar como crescem ao longo do tempo e criar um diário para anotar os resultados. Coletar elementos da natureza (folhas, bichos, pedras) para desenhá-los ou classificá-los e montar um álbum ou uma coleção. Buscar padrões nos objetos (por exemplo: “o que todos esses insetos têm em comum?”);
  • Intrapessoal: escrever ideias e sentimentos em um diário. Fazer uma cápsula do tempo para as crianças guardarem objetos que são importantes para elas e cartas que elas escreverem para elas mesmas, para voltar a abrir em alguns anos. Tirar fotos de coisas que chamem a atenção e comentar depois. Criar um plano para aprender algo novo. Fazer uma lista das coisas que queremos fazer naquele dia (para aprender a organizar o tempo); e
  • Interpessoal: fazer brincadeiras que exijam colaborar com outros, como corridas de saco e construções em grupo. Conversar sobre como as coisas funcionaram em grupo e por que elas foram bem ou o que se poderia fazer para melhorar as que não saíram tão bem. Ensinar algo que sabemos a outra pessoa (por exemplo, gravando um tutorial em vídeo). Planejar um “acampamento” dentro de casa (por exemplo, armando uma tenda caseira com mantas e cadeiras) e fazer uma lista de coisas que todos queremos levar.

Espero que essa lista anterior os ajude a despertar ideias (e a identificar coisas que vocês já fazem)! Seguramente vocês descobrirão muitas outras atividades que valem a pena compartilhar com os filhos. Nesses anos de trabalho com pais sempre me surpreendo e me maravilho com a criatividade que todas as famílias têm.

Ficar em casa pode nos dar uma oportunidade impensada de nos conectarmos com nossos filhos: passar tempo juntos sem pressa, brincar por brincar e conversar por conversar. Não precisamos desenvolver ideias sofisticadas. Trata-se, nada mais, nada menos, de nos encontrarmos e desfrutarmos mutuamente da nossa companhia.

10 ideias sobre “Atividades com as crianças em casa em tempos de coronavírus

  1. Excelente este artigo, tão rico de atividades nas mais variadas linguagens e dimensões!

    Apenas uma dúvida:
    Como se joga o Cadáver esquisito?
    Não conheço…
    Obrigada, muitíssimo obrigada!
    Professora Claudia Miranda

    • Karina,

      esse é o objetivo deste espaço no momento, estreitar contatos e trazer ideias para atravessarmos esse período.

      Um abraço,

      Fernanda

Deixe uma resposta para Karina Mesquita Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *