1º de abril pode estimular fake news sobre coronavírus. Nesse contexto, Escola da Vila realiza atividades remotas de educação midiática

Alunos do 9º ano do Ensino Fundamental da Escola da Vila estão discutindo papel do jornalismo em meio à pandemia do COVID-19

Muitas notícias falsas relacionadas à pandemia do coronavírus têm circulado nas redes sociais e nos aplicativos de conversa da população mundial. O Dia da Mentira (1º de abril), inclusive, pode reacender a disseminação de fake news a respeito do tema. 

Pensando nesse cenário, a professora de Língua Portuguesa da Escola da Vila, Luiza Moraes, propôs aos seus alunos e alunas do 9º ano do Ensino Fundamental um projeto que pretende discutir e debater o papel do jornalismo no contexto da pandemia de coronavírus. 

“O que está em pauta agora é justamente o papel da imprensa, dos meios de comunicação e das redes sociais na cobertura da pandemia. Por isso, a proposta é que os alunos e alunas leiam artigos de opinião sobre fake news, se informem sobre o coronavírus e debatam entre si”, explica. 

Com a grande quantidade de informações a respeito do coronavírus circulando na internet é preciso ter cautela na disseminação e no consumo das notícias falsas. Por isso, Luiza enxergou nesse contexto a possibilidade de educá-los midiaticamente com um tema atual e relevante. 

“Meus objetivos são que eles vivam isso como leitores, entendendo como podem usar a imprensa para se informar e pensando sobre como a mídia faz a cobertura do tema”, completa a professora.

Ela explica que há muitos anos esse trabalho de educação midiática é feito pela equipe pedagógica da Escola da Vila. Ao longo da trajetória acadêmica, os estudantes do Ensino Fundamental, por exemplo, participam de um projeto de publicidade, analisando peças publicitárias e entendendo sua linguagem de persuasão.

A proposta de educação midiática já é familiar ao corpo estudantil da Vila, mas o cenário de pandemia de 2020 acabou propiciando esse estudo mais aprofundado da cobertura jornalística com base no que os alunos e alunas estão vivendo. Luiza explica que o consumo de informações e notícias confiáveis na internet os ajuda a entender os motivos da quarentena e a situação global atual.

As atividades com a turma estão sendo feitas remotamente, por meio de um ambiente digital. Primeiramente a professora propôs que os alunos selecionassem um vídeo e um podcast com dados confiáveis sobre o Covid-19, resumindo as informações e compartilhando com a turma por meio do sistema online da escola.

Outra atividade que está sendo realizada pelos estudantes é a curadoria de notícias. Todos os dias, eles navegam em sites de notícias da grande imprensa e leem a principal notícia relacionada ao coronavírus naquele momento, fazendo uma base de dados com as informações.

“Neste ano, nosso foco é nas fake news e no papel da imprensa nessa cobertura de crise. O principal objetivo dessa atividade é que os alunos percebam que uma boa argumentação é feita com base em pesquisas científicas, dados coletados e fontes especialistas”, conclui.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *