Asus Gaming LAPTOP OR COMPUTER Reviews – What Is the very best Asus Video gaming PC Ratings?

What are the very best Asus gaming LAPTOP OR COMPUTER reviews out there? It’s actually a really hard issue to answer as there are so many different aspects that need to be More »

How an Automatic Diagnostic scan Protection Program Works?

Home safety software is one of the important safety and security software on the market today. It helps one to block and in some cases remove unnecessary spyware from the computer. You’re More »

Best 3 Antivirus For Apple pc

There are several issues that come up in the brains of those who have do not make use of the top 3 antivirus with respect to Mac applications. This article is created More »

Marketing and Business Analyst Careers – How it all started Before You Apply

If you’re looking for an occupation that could offer stability, and will give you monetary security, there are a few things to consider when looking for the right status as a marketing More »

Firesticks and the History of Their Foundation

Firesticks have already been around for centuries. They were employed in the Middle Age groups for applying as guns, as a way of keeping warm, and to build conflagrations. A firestick is More »

 

Category Archives: Esportes

Brasil joga bem, goleia e vê seus reservas brilharem

esporte 001esporte 002esportes 001

Na reabertura do Maracanã, Felipão escala o seu time ideal

Técnico aposta em Hulk no ataque com Fred e Neymar. Se funcionar, será a equipe das Confederações

02 de junho de 2013 | 9h 11
Almir Leite e Silvio Barsetti – O Estado de S. Paulo

RIO – É um amistoso, jogo para políticos, autoridades e cartolas fazerem festa. Afinal, depois de quase três anos o Maracanã, principal templo do futebol brasileiro – e mundial -, vai ser reaberto. Remodelado, moderno, de acordo com o “padrão Fifa”. Mas, para aseleção brasileira, o jogo de neste domingo, às 16 horas, contra a Inglaterra, tem pouco de festivo. Ao contrário, pode começar a definir o rumo de uma equipe até aqui desacreditada.

 

Seleção brasileira treinou no Maracanã neste sábado - Marcos de Paula/Estadão
Marcos de Paula/Estadão
Seleção brasileira treinou no Maracanã neste sábado

 

A partida é o primeiro e importante passo de uma caminhada que tem como objetivo inicial o título da Copa das Confederações - e como objetivo máximo a sexta conquista da Copa do Mundo, ano que vem.

Para Luiz Felipe Scolari, é o momento de começar a montar de fato o time e também de apresentar resultados que deem início ao processo de reconquista do torcedor brasileiro que ele preconiza desde que assumiu pela segunda vez o cargo.

“Esse é um jogo para começar a dar uma retribuição à torcida”, disse Felipão neste sábado, após o treino de reconhecimento do gramado do Maracanã – que ele elogiou. “Poderemos começar a resgatar uma boa imagem”.

O treinador tem um motivo especial para querer a vitória esta tarde. Ele reestreou na seleção com uma derrota justamente para os ingleses, por 2 a 1, no início de fevereiro. “Naquele momento estávamos no início de um trabalho e com uma condição física que não era boa. Agora é diferente”.

Felipão mandará a campo o time que considera ideal, pelo menos neste momento. Uma defesa forte e razoavelmente experiente – Julio Cesar, Daniel Alves, Thiago Silva, David Luiz e Marcelo ou Filipe Luis -; um meio-campo com dois volantes, Fernando e Paulinho, que têm como primeira obrigação proteger a defesa; e um meia criativo, Oscar. No ataque, Neymar está garantido e Fred, apesar de ter um problema na costela, deve jogar pelo menos 45 minutos.

O treinador deixou no ar uma dúvida: Hulk ou Lucas. Mas por se adaptar melhor ao que ele pretende taticamente, o jogador do Zenit deve ser o escolhido. “O Lucas está melhorando seu posicionamento defensivo, mas meu objetivo é ter uma equipe equilibrada.”

Felipão deixou claro que, se o time escalado por ele for bem hoje, será mantido quase integralmente para a Copa das Confederações. “Se o time me der a resposta amanhã, tiver equilíbrio tático, será 95% do time (para o torneio)’’, disse. “Mas tem de ter equilíbrio principalmente tático, e ainda fala muito para isso.”

BONITO POR DENTRO…
O Maracanã, que tem previsão de receber 74 mil pessoas, vai servir para testar 16s áreas operacionais visando à Copa das Confederações. O atendimento e a orientação ao público, a rapidez no acesso aos lugares e o funcionamento das lanchonetes estarão entre os itens testados.

O acesso também será avaliado. Mas vai ser difícil passar no teste. O entorno do Maracanã é um canteiro de obras, o amistoso chegou a ser suspenso pela Justiça por falta de segurança e o torcedor deverá sofrer para chegar ao estádio.

BRASIL X INGLATERRA

BRASIL - Julio Cesar; Daniel Alves, Thiago Silva, David Luiz e Marcelo; Fernando, Paulinho e Oscar; Hulk, Fred e Neymar. Técnico: Luiz Felipe Scolari.

INGLATERRA - Joe Hart; Glen Johnson, Jagielka, Cahill  e Phil Jones; Carrick, Lampard, Walcott e Milner; Rooney e Defoe. Técnico: Roy Hodgson.

Árbitro - Wilmar Roldán (Colômbia); Horário - 16 horas (de Brasília); TV - Globo e SporTV; Local - Estádio do Maracanã, no Rio (RJ).

 

Para viúva, Brasil perdeu Copa de 50 porque não levou Leônidas

viuva Leonidas

12 de maio de 2010  17h35Albertina Santos, viúva de Leônidas da Silva, guarda recordações dos tempos de glória do atacante. Foto: Alex Mirkhan/Especial para Terra

Albertina Santos, viúva de Leônidas da Silva, guarda recordações dos tempos de glória do atacante
Foto e texto: Alex Mirkhan/Especial para Terra

Direto de São Paulo

Dois anos antes da Copa do Mundo de 1950, disputada no Brasil, o corte do lendário atacante Leônidas da Silva pelo técnico Flávio Costa mudou para sempre o destino do futebol nacional, que só ganharia a fama de “melhor futebol do mundo” oito anos depois. Esta é a opinião da viúva do ex-atacante, conhecido como “Diamante Negro”, Albertina Santos, e de muitos de seus contemporâneos. O próprio Leônidas havia previsto o insucesso brasileiro um ano antes daquela fatídica derrota de 2 a 1 para o Uruguai, em pleno Maracanã, episódio conhecido como Maracanazzo.

Companheira de Leônidas desde 1956, Albertina, 82 anos, era muito jovem quando conheceu o já aposentado ídolo dos anos 30 e 40 e lamenta não tê-lo visto jogar profissionalmente. Porém, sabe muito bem o ressentimento que o ex-atacante, morto em 2004, guardava por não ter sido convocado para o seu terceiro Mundial (disputou em 34 e 38). “Naquela Copa de 50 o técnico Flávio Costa não convocou ele (Leônidas) e o Brasil perdeu por causa disso. Não sou eu quem está falando, mas sim o pessoal da época, porque ele ainda jogava muito bem”, afirma Albertina, em entrevista ao Terra.

Um dos primeiros ícones do futebol brasileiro, expoente negro neste esporte ao lado de Domingos da Guia, Leônidas já havia feito história pela Seleção ao ter marcado o único gol brasileiro na Copa de 34 e por sagrar-se artilheiro e melhor jogador da Copa de 38. A fama de goleador e as suas incríveis jogadas, como a famosa bicicleta que inventou, o credenciavam como forte candidato à equipe que disputaria o Mundial em solo brasileiro, apesar de seus 36 anos à época.

O próprio Leônidas manifestou indignação com o que considerava “regionalismo notório” do então técnico da Seleção, o carioca Flávio Costa. No livro “O Diamante Eterno – Biografia de Leônidas da Silva”, do jornalista André Ribeiro, aparecem protestos do atacante sobre o seu corte da Seleção em 1948 – segundo ele, injustificada – às vésperas do Sul-Americano que aconteceria no ano seguinte. A manchete do jornal O Mundo Esportivo, de 29 de abril de 1949, traz a afirmação indignada e profética de Leônidas: “Eu acuso! Com Flávio Costa o Brasil ganhará o Sul-Americano, mas perderá fatalmente a Copa”.

Muito tempo depois, em 1998, com mais de 90 anos, Flávio Costa comentaria a mágoa que causou no atacante, em relato presente no livro de André Ribeiro. “Sei que fui sempre um cara muito autoritário. Leônidas talvez me veja até hoje como um carrasco, um sujeito que cerceou sua liberdade. Mas eu não vejo Leônidas assim. Vejo Leônidas pelas coisas que ele produziu e pelas satisfações que me deu. Confesso que na primeira vez que barrei Leônidas na Seleção em 1945, sabia que ele era melhor que Heleno de Freitas”, confessou o ex-técnico, um ano antes de morrer no Rio de Janeiro.

Sombra de Pelé

Sem ter nova oportunidade de conquistar a Copa do Mundo, o artilheiro que fez história também em clubes como São Paulo e Flamengo, acabou vítima do sucesso da geração que seria campeã em 1958. Segundo Albertina, os jogadores anteriores a Pelé são relegados ao esquecimento também porque as partidas de futebol não eram televisionadas naquele tempo. “O futebol começou com Pelé”, ironiza, antes de registrar seu protesto. “É como se não tivesse nada antes dele”.

Devota até hoje aos encantos de Leônidas, Albertina gostaria de ver o talento de seu ex-companheiro ser eternamente celebrado pelo povo brasileiro. “Outro dia eu vi um almanaque de fotos de grandes jogadores brasileiros, que inclusive tem o Leônidas, mas fiquei muito chateada porque a primeira foto é a do Pelé dando uma bicicleta. Todo mundo sabe quem inventou aquela jogada e o que diziam sobre quem acertava, mesmo se fosse o Pelé. Diziam que aquela bicicleta era parecida com as de Leônidas”.

Torcedor não recorre a estatuto em 2013

Notícia trazida por Felipe Sanchez, aluno do 4º ano C
18/05/2013 - 03h22

Torcedor não recorre a estatuto em 2013

PUBLICIDADE

EDUARDO OHATA
MARCEL RIZZO
DE SÃO PAULO

O Estatuto do Torcedor completou dez anos nesta semana sem ter eliminado todos os problemas que mira.

Devido à pouca visibilidade, nenhuma queixa relativa aos direitos que prega foi encaminhada neste ano ao Procon do Estado de São Paulo.

Em 2012, foram só três as reclamações. Nos primeiros anos da lei, técnicos do Procon trabalhavam com planilhas, onde eram listados problemas a serem verificados.

“[Hoje] talvez falte divulgação. Mas após o estatuto o avanço foi brutal, com 80% a 90% dos direitos no interior dos estádios respeitados. Fora a Lei de Moralização do Futebol”, explica José Luiz Portela, um dos criadores da lei.

“Fora dos estádios está a parte ruim, só entre 30% e 40% dos direitos funcionam. Por exemplo, o plano de jogo que teria de ser produzido por polícia, cartolas, CET, entre outros, e deveria ser divulgado ao público”, reconhece.

No Ministério do Esporte, Paulo Castilho, do departamento de Defesa dos Direitos dos Torcedores, acredita que a apatia é um resultado do desconhecimento, e não de desinteresse ou descrença.

“Hoje o estatuto não é cumprido em sua plenitude, mas demos um grande passo para que seja cumprido”, diz Castilho, ao revelar novidades da parte do governo federal para os próximos meses.

“Existe um estudo encomendado à UFRJ para classificar e apontar o que precisa ser alterado em 152 estádios com capacidade igual ou superior a 10 mil torcedores.”

Castilho acrescenta que o governo federal prepara uma regulamentação do estatuto.

“Tem lugares em que se instalou um sistema de monitoramento só para cumprir a lei”, aponta Castilho. “Mas precisa ver se é oferecido um monitoramento perfeito. A imagem é nítida? As imagens ficam gravadas? É preciso regulamentar diversos itens.”

O governo federal pretende aproveitar a sequência de grandes eventos no Brasil –como a Copa das Confederações, em junho, a Copa do Mundo, em 2014, e os Jogos Olímpicos em 2016– para voltar a divulgar o estatuto.

Especialista em direito desportivo que organizou, pela OAB/RJ, um trabalho sobre o estatuto, Martinho Neves Miranda vê um legado positivo.

“O estatuto foi uma conquista da sociedade. Acho que 70% do que prega é respeitado”, afirma o advogado.

“No que ele [estatuto] não avançou foi mais por conta da cultura dos torcedores, que não permitiu. Como é no caso de torcedores que usam assentos de terceiros.”

Alguns torcedores, porém, relembram detalhes mais singelos alterados pelo estatuto.

“Sinto falta das barracas na porta do estádio. Acabaram por causa do estatuto?”, questiona, saudoso, o estudante Demir Olegário, 27.

Ricardo Nogueira – 12.mai.2013/Folhapress
Torcedores do Corinthians na partida contra o Santos no Pacaembu
Torcedores do Corinthians na partida contra o Santos no Pacaembu

 

 

Diretores do Barcelona e do Santos estão reunidos para acertar venda de Neymar

Desta vez, pai do jogador também participa da discussão na Vila Belmiro

24 de maio de 2013 | 17h 01
Luis Augusto Monaco e Sanches Filho, especial para o Estado – O Estado de S.Paulo

SANTOS – O pai do jogador Neymar, um dos representantes do Barcelona no Brasil, Raúl Sanllehí, e a diretoria do Santos estão reunidos neste momento na Vila Belmiro para tentar fechar a venda do jogador para o clube espanhol. A reunião começou pouco depois das 16h. Um encontro entre as partes já havia acontecido na quinta-feira, mas não houve acordo. Sanllehí chegou, inclusive, a cogitar o retono para a Espanha na noite de quinta, mas decidiu ficar para uma nova reunião, que acontece neste momento.

 

Diretor do Barcelona, Raul Sanllehí está em Santos - Maurício Souza/Estadão
Maurício Souza/Estadão
Diretor do Barcelona, Raul Sanllehí está em Santos

A proposta recusada na quinta-feira era de 25 milhões de euros (R$ 65,7 milhões), sendo 55% (R$ 36,1 milhões) para o Santos, 40% (R$ 26,2 milhões) para a DIS e 5% (R$ 3,3 milhões) para a Teisa (Terceira Estrela S.A.). Para aumentar a sua cota, o Santos tenta convencer a DIS a abrir mão de parte do valor a que tem direito.


Descubra como surgiram as camisas de Corinthians e Santos

13136535
19/05/2013 - 08h00

DE SÃO PAULO

Corinthians e Santos decidem hoje (19) quem será o vencedor do Campeonato Paulista deste ano.

Mas você sabe quais as cores das camisas dos times e como elas foram escolhidas?

A edição da “Folhinha” de 8 de novembro de 1981 trazia uma reportagem especial sobre os times paulistas que estavam na primeira divisão naquela época.

Confira abaixo a reportagem.

*

O futebol é o esporte brasileiro que tem o maior número de torcedores. Mas ele não nasceu aqui no Brasil. Quem trouxe o futebol para cá foi um menino chamado Charles Miller.

Apesar do nome, Charles era paulistano e morava no Brás. Em 1894, Charles viajou para a Inglaterra e na volta trouxe de lá duas bolas de futebol e um uniforme de um time inglês chamado Southampton.

Foi assim que o futebol chegou ao Brasil, mas a maioria dos times surgiu depois de 1910.

Cada time nasceu de uma maneira diferente e aqui você vai ficar sabendo um pouco da história dos 20 times de futebol que fazem parte da atual 1ª Divisão. São os times que saíram vencedores no ano passado do Campeonato Paulista do ano passado e que, este ano, estão lutando para não perder sua posição.

Repare bem nas cores e distintivos dos times. Você vai notar que a maioria dos distintivos tem a forma de um escudo, como o da Ponte Preta, por exemplo. Segundo Amilcar Quintella Jr., um homem que estuda este e outros símbolos, o escudo representa luta, conquista. Os times usam esse tipo de distintivo para falar de sua briga por uma boa posição no futebol brasileiro.

Em outros times, o distintivo é redondo e esse símbolo quer dizer que ele terá vida longa.

Santos Futebol Clube

Reprodução
Camisa do Santos
Camisa do Santos

Santos lembra Pelé, e Pelé lembra Santos. Durante 18 anos, teve Pelé no seu time, o maior jogador de futebol de todos os tempos, na história do futebol.

Mas, quando o time nasceu, em 12 de abril de 1912, ninguém sabia que o clube teria um futuro de glórias. A ideia de criar um clube com o nome da cidade surgiu porque Santos tinha o maior porto do Brasil, por onde o café de São Paulo era embarcado para outras partes do mundo.

É também chamado time do peixe porque Santos é uma cidade à beira-mar. As cores do time lembram o seu sucesso: o branco da paz e o negro da nobreza.

Sport Club Corinthians Paulista

Reprodução
Camisa do Corinthians
Camisa do Corinthians

Há muito tempo atrás, um clube chamado “Corinthians Team” veio da Inglaterra para jogar no Brasil. Foi uma grande festa em São Paulo.

Naquela época estavam começando a surgir vários clubes de futebol por todo o país e os moradores do bairro do Bom Retiro, em São Paulo, animados com a visita do time inglês, decidiram fundar mais um clube aqui na cidade. Foi assim que surgiu o “Timão”, apelido do Corinthians, o clube que tem uma das maiores torcidas do país.

O nome do time, assim como as cores preta e branca, foram copiados do time inglês. O Corinthians surgiu no primeiro dia de setembro de 1910.